Ouvir Rádio! Não.

Publicado em: 12/02/2012

Passei a vida lá dentro como profissional. Vou ficar com raiva em ouvir o que hoje se ouve.

Ao final da vida é que a gente fica pensando: por que não se programa em tempo? Por que não se prepara em tempo? Por que não se ama em tempo? Por que não guarda algo em tempo? E, quando você vai contar do tempo… Acabou-se o tempo! Chiii! Quando chegar a hora quem vai cuidar de mim?  Cuidadora não dá porque você não se preparou pra ter dinheiro que consiga pagar essa despesa a mais. A família? Mas e se essa já se foi? Se os que ficaram não se interessam pelas suas dificuldades de sobrevivência ou locomoção? Pra cabeça não degringolar, você a usa cada vez mais, com maior intensidade e com muitas coisas para fazer para ficar pensando o tempo todo. Afinal, você já está idoso. Mas não se preparou para ficar com essa idade.

Ir pra rede? Pra beira da praia ver as marolas…? Jogar baralho ou dominó, ou fazer crochê? Não. Nisso, nem pensar! Nas outras coisas, sim! Arrumar coisas pra fazer. Ouvir Rádio! Não. Passei a vida lá dentro como profissional. Vou ficar com raiva em ouvir o que hoje se ouve. Não tem nem Nelson Gonçalves, Cartola, Lupicínio, Miltinho, Cauby, Elizeth Cardoso, as Emilinhas Borba da vida…

E aí, aos quase 76 anos, volto aos bancos da Faculdade.

Desta vez para  cursar quatro anos de TI – Tecnologia da Informação. Vou ficar um cara informado, mesmo depois de meio século tendo a comunicação como profissão.

Sensação estranha na Faculdade. Na primeira, há mais de cinquenta anos, foi mais fácil. Agora, o mais velho dos alunos deve ter 40 anos. Estranharam, no início, mas depois me receberam bem. Não me acharam um alienígena.

Hoje o professor devolveu-nos a primeira prova que fizemos na semana passada.

Resolvi mandar pra você (dirigindo-se ao editor) a primeira parte, a que interessa, porque no canto direito está a minha nota: 10.

Êta, veínho metido! Envio amigo, isto tudo, não pelo texto que redigi na sala de aula como prova, mas porque sou meio “pavão”, como diz minha santa mulher e gosto de aplausos. É uma das minhas grandes falhas. É isso aí: mandei só pra você ver a nota dez. Só isso. Pode ser a primeira e a última, porque aguentar sentado num banco nada confortável durante três horas, não é sopa. Por falar em sopa, vou parar porque está na hora de uma sopinha sem sal. Desculpe.

Um abraço.

Donato Ramos – 75  11/02/2012 – Florianópolis SC.

2 respostas
  1. Antunes Severo says:

    Caríssimo, se bem te conheço já posso agendar uma data para a tua formatura. Pois aplicado como és, com certeza o final será radiante. Abraço cheio de carinho.

  2. Jair Brito says:

    Êta, veínho metido! Vá em frente e não fique fazendo alarde de seus 76 anos (bem vividos, graças a Deus) porque tem muita gente que tem 30 anos de idade é mais velha que você.
    Um grande abraço.

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *