A morte da Rádio!

Publicado em: 11/04/2013

Li por esses dias um texto do consagrado Flávio Ricco que escreve há muitos anos uma coluna sobre rádio e jornal, hoje no site da UOL. O assunto girou em torno do rádio, assunto ao qual tenho me referido com muita constância até. Flávio Ricco publicou a matéria “Rádio do Brasil a beira da falência”. O texto com a devida autorização do Flávio e da UOL publico na íntegra: “Estão cada vez mais curtas as verbas publicitárias destinadas às emissoras de rádio e é por aí que entra a tal questão colocada na propaganda do biscoito: as verbas estão mais curtas por que o serviço é mal feito”?

Ou o serviço é mal feito por que as verbas estão mais curtas? Fato é que emissoras importantes, inclusive dos grandes centros, estão vivendo uma realidade diferente de 10 ou 15 anos. A fase é incomparavelmente pior. Salvo raras e honrosas exceções, algumas já não têm onde correr. Lamenta-se tudo isso, entre outros motivos, pela força que o rádio ainda representa. É natural que uma série de percalços contribuiu de maneira decisiva até se chegar ao estágio atual. Mas é impossível não colocar como principal deles a proliferação dos prefixos, a maioria destinada a pessoas que de rádio só conhecem ou ouviram o de cabeceira.

E a tendência, para o que já está muito ruim, é de ficar ainda pior. Até mesmo os perniciosos compradores de horários, sabendo da importância que o dinheiro deles hoje representa, negociam com boa parte das emissoras da maneira que bem entendem. “As perspectivas, tristemente se consta, são as sombrias”. Parabéns Flávio, concordo inteiramente com o seu belo texto. E concluo: E as autoridades será que já atentaram para o que está acontecendo com o rádio o maior prestador de serviço do país? É isso aí.

2 respostas
  1. walter filho says:

    Irmão Edemar,esta radiografia do rádio,me deixa triste,chateado,aborrecido…Todo aquele que fez e faz RÁDIO por AMOR ao RÁDIO , fica desnorteado diante de previsões como estas que você repassa e comenta.Vamos implorar a Nossa Senhora da Frequência Modulada , que interceda junto ao Maior e Eterno Comunicador da Humanidade pra ficar Antenado e não permitir que fiquemos sem um prefixo para continuarmos a nadar com a felicidade nas ondas hertezianas do rádio para sempre.Se não for pedir muito,né ? Saúde e Paz ,amigo.Até mais Edemar.Eu sou do pé da serra,já você é demar…Não resistí,desculpe o trocadilho.Parece ser coisa de Walteres…

  2. Edemar Annuseck says:

    É amigo Walter,
    A coisa tá feia, a coisa tá preta. Já vinha sentindo esses problemas quando voltei para o rádio de São Paulo em 2009. A Record com 200 mil watts de potência, três Ondas Curtas isso sem falar da internet e de ter uma televisão em evolução teve sempre muita dificuldade para se manter. E aí o futebol que não dava prejuízo foi terceirizado. A seguir mandaram embora todos os comunicadores e hoje sua programação é tocada por pastores e bispos da IURD. Tiraram a emissora do prédio junto ao complexo da televisão e levaram para Santo Amaro, junto à Igreja sede da IURD. Ficou restrita a um estúdio principal (que vai ao ar) e outro de gravação que tb serve para duas outras rádios da IURD que lá atuam.
    Vejo com tristeza essa situação. Bons tempos em que eu trabalhava na Jovem Pan. Chegava Agosto, Setembro e após a apresentação da proposta aos que anunciavam o futebol, havia fila de empresas querendo entrar no circuito. Normalmente que já estava lá mantinha a publicidade para o ano seguinte. E era verba grande, não esses “ninharias” de hoje.

    Edemar Annuseck

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *