A reportagem no rádio – 01

Publicado em: 02/11/2008

A reportagem radiofônica se reveste de uma importância fundamental e, portanto, merece cuidados a partir da entrevista. Para isso se faz necessário a presença de um jornalista na coordenação das programações de rádio.O profissional do rádio, o radialista é de suma importância para o sucesso da empresa de comunicação na qual trabalha. Ética, compromisso com os ouvintes e interação são pontos que precisam ser respeitados e não podem ser distorcidos. Numa rádio séria com teor e programação jornalística todos fazem o papel de repórter ou são repórteres.

Os estudiosos em comunicação classificam as emissoras em rádio quente ou viva, e emissora burocrática ou medíocre.  Jamais desejaremos que uma emissora de rádio se enquadre nessa classificação, mas apesar dos pesares, ainda a emissora com esse perfil no ciclo radiofônico brasileiro.

De acordo com a Constituição Federal de 1988, o prazo de concessão para serviço de radiodifusão sonora é de 10 anos e pode ser renovado pelo mesmo prazo por períodos sucessivos. O banco de dados da Anatel, que é também alimentado pelo Ministério das Comunicações, indica casos em que a validade das outorgas venceu há 11, 13 e até 17 anos, o que é inacreditável que esteja ocorrendo.

As emissoras atualmente funcionam em AM (amplitude modulada) e FM (freqüência modulada), as AM operam em ondas longas, médias e curtas. O estúdio, onde é gerada a programação, é um sistema composto de equipamentos distribuídos em diversas salas à prova de som. Depois de equalizado o som segue por cabos e misturadores onde é harmonizado. Daí segue para os transmissores e as repetidoras no caso de integrar uma rede.

Quando a estação transmissora encontra-se distante do estúdio, um circuito especial (Chamado link) faz o enlace das duas, geralmente por sistemas de microondas ou via satélite. Nas salas do estúdio estão os microfones, estes captam os sons emitidos, vozes, músicas ao vivo, etc. São enviados aos equipamentos de mixagem e editoração, depois aos pré-amplificadores, amplificadores, moduladores, estágios de potência e finalmente às antenas, para ser irradiados em forma de ondas eletromagnéticas, capazes de viajar pelo espaço a longas distâncias.

O canal de radiofreqüência é também chamado de onda portadora no caso das transmissões em AM ou FM, pois em SSB não existe portadora, embora esse sistema seja mais para uso de radioamadorismo e outras formas não comerciais. No caso da reportagem acresce o cuidado com o som que deve ser o mais claro possível, sem ruídos e chiados. O bom repórter, além da competência profissional, deve cultivar a calma e a cautela.

Na próxima semana acompanhe as sugestões e dicas para uma boa reportagem.

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *