A trajetória de Puccini

Publicado em: 22/06/2015

A recuperação de uma época dourada, romântica e gloriosa de Vilmar Puccini na vida e no futebol, lançada em livro em 2009, chega agora até você com a notícia de que, finalmente, está disponível para ser adquirido.

Vilmar, aos 80 anos, e a esposa Norma ao lado do padre em cerimônia, em 2008.

Vilmar, aos 80 anos, e a esposa Norma ao lado do padre em cerimônia, em 2008.

A iniciativa é dos autores – Vilmar Puccini Júnior e Ítalo Puccini –respectivamente filho e neto do goleiro que por muitos anos empolgou os torcedores joinvilenses e de toda Santa Catarina. O livro chegou ao Instituto Caros Ouvintes embalado pela intermediação amiga do publicitário e ativo promoter das artes e da história Curt Nees, atualmente residindo e trabalhando em Jaraguá do Sul, um dos berços da história da propaganda em Santa Catarina e palco de muitas defesas notáveis de Vilmar Puccini.

Na apresentação do livro os autores começam lembrando a frase do escritor peruano Mário Vargas Llosa: toda vida merece um livro. E acrescentam “Uma obra que traz consigo a pretensão maior de compartilhar experiências de vida, uma vez que o aprendizado constrói-se não somente a partir da leitura de livros, e sim, principalmente, a partir da vida, do ato de (con)viver”.

“Pretendemos, com A trajetória de Puccini: o resgate de uma época dourada, romântica e gloriosa, na vida e no futebol, recuperar um patrimônio importantíssimo para o legado histórico de uma sociedade, valorizando o passado de inúmeras pessoas, de vários segmentos (político, empresarial, cultural e esportivo}, que contribuíram de maneira muito nobre para o desenvolvimento qualitativo do presente em que vivemos”.

Puccini livro“Registramos, dessa forma, – e também reconstruímos – a memória de uma geração de craques dos anos 1950/60, que foram a própria encarnação do futebol-arte, e que viveram um tempo singular na história do Futebol Joinvilense e Catarinense. Pessoas que criaram raízes nas cidades onde foram acolhidos. Jogadores que encarnaram a mística do seu time, atuando praticamente durante toda a carreira esportiva por um só clube. E o amor à camisa? Bem, o amor à camisa não se resumia a beijinho no escudo do time”.

“Criou-se uma expectativa muito grande em torno deste livro durante os quatro anos de preparação do mesmo, desde a elaboração do projeto, passando pelas pesquisas e depoimentos colhidos, até a intensificada fase de finalização. Foram muitas as perguntas, as sugestões e as críticas. Algo que só veio a contribuir, de uma forma ou de outra, para que a chama deste sonho se mantivesse acesa e se consolidasse em realidade: este livre que está agora nas mãos do leitor”.

“Registramos aqui o nosso muito obrigado, e adiantamos o pedido de compreensão por possíveis erros que cometemos, especialmente com relação a datas, nomes e méritos que foram dados a está ou àquela personagem”.

“Se com a frase de Mario Vargas Llosa iniciamos esta apresentação, com quatro versos da música Prelúdio, do poeta e músico baiano Raul Seixas, damos ela por finalizada”.

Sonho que se sonha só,

É só um sonho que se sonha só.

Mas sonho que se sonha junto,

É realidade.

Contato com os autores
[email protected] ou [email protected]

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *