A Voz do Paraná mais ouvida no Brasil

Publicado em: 16/12/2007

No ano de 1924, Fido Fontana, Livio Moreira e João Alfredo Silva foram escolhidos para formar a primeira diretoria da terceira emissora de rádio criada no Brasil. Nascia a Rádio Clube Paranaense, popular PRB-2 que nos primeiros tempos era identificada pelo prefixo de SQIF, transmitindo com um pequeno transmissor de oito watts de potência. 
Por Jamur Júnior

A B-2 fez a história do rádio paranaense mais rica, revelando grandes talentos, divertindo, alegrando e instruindo o ouvinte com seus programas de auditório, novelas, noticiários etc. Pelo seu microfone potente passaram centenas de radialistas famosos, outros que ali ganharam fama e reconhecimento público.
A Rádio Clube Paranaense, de Jacinto Cunha, um de seus principais personagens nessa historia de sucesso, conseguiu feitos extraordinários numa época em que a maioria dos brasileiros ouvia a Radio Nacional do Rio de Janeiro, por onde desfilavam os maiores nomes da musica e do teatro. A B-2 conseguiu o feito inédito de conquistar uma parte expressiva do público ouvinte que costumava manter seu rádio na emissora carioca.
Com seus transmissores potentes de ondas medias e curtas cobria todo o território nacional, levando a arte e o talento dos paranaenses para o país inteiro. Grandes nomes da nossa radiofonia como Ubiratan Lustosa, Mario Vendramel, Antunes Severo, Sergio Fraga, Arthur de Souza, Mauro de Alencar, Milton Luiz Pereira, Elon Garcia, Ivo Ferro, Souza Moreno, Ary Fontoura e tantos outros deram significativa contribuição para o sucesso da pioneira PRB-2.
Por certo esses notáveis profissionais, bem como seus primeiros diretores, nunca imaginaram que um dia a emissora mais poderosa do Paraná fosse transformada em simples repetidora da Rede Eldorado. Pois foi isso que aconteceu. A Rádio Clube deixou de produzir programas locais, dispensou seus profissionais e passou a condição humilhante de repetidora.
É um fato lamentável que abala a radiofonia local e a auto estima de radialistas que passaram pelo famoso prefixo e contribuíram para o seu sucesso. Para quem é apaixonado pelo rádio e muito mais pela PRB-2, não basta o registro do fato. É preciso iniciar uma ação positiva para salvar esse patrimônio radiofônico dos paranaenses.
Fica junto com o registro do fato a sugestão de se convidar antigos radialistas que militaram na Clube, a voltar à atividade e tentar recuperar a emissora, trabalhando sem remuneração enquanto durar o processo de restabelecimento das condições de rádio geradora de programas e sua capacidade de disputar o mercado publicitário local. Esses profissionais têm condições de criar, produzir, dirigir e apresentar programas, com baixo custo e grande possibilidade de subir na preferência popular.
Sem custos para a direção da emissora os Voluntários da Clube podem contribuir para recolocar a emissora na posição de destaque, onde sempre esteve e evitar que a velha e querida B-2 desapareça para sempre.
 


{moscomment}

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *