A voz

Publicado em: 14/04/2009

Pouca gente sabe, mas a voz ganhou um dia só para ela. A comemoração é dia 16 de abril. Isso mesmo, a data homenageia a ferramenta mais fantástica a serviço da comunicação humana.

Na verdade não é o dinheiro que move o mundo. É aquele som que aprendemos a emitir com alguns meses de vida e geralmente nos acompanha até o fim. A voz é primeiro estágio da ação. É uma espécie de impressão digital sonora que impulsiona tudo. Somos capazes de identificar os donos de centenas e até milhares de vozes. Pela voz, detectamos traços de ironia, felicidade, timidez, arrogância, culpa ou acusação.     

É a voz, em suas mais diversas entonações, em qualquer canto do planeta que aproxima e afasta as pessoas. É este som, pronunciado em todas as línguas, dialetos e sotaques, que provoca ações e reações. São decisões irreversíveis, preces à beira do túmulo, o grito de gol da multidão angustiada, o sim na troca das alianças, o não de quem tem o poder de conceder liberdade, a palavra de conforto para quem sofre, o canto transportado pela brisa, o sussurro dos amantes, a verdade que machuca, a mentira que ilude e dói demais e até a revelação que transforma vidas para sempre.  

Usamos clichês dizendo que a voz do povo é a voz de Deus. Muitas vezes somos obrigados a ouvir a voz da razão, a voz dos ventos, a voz da sabedoria e até a voz da ignorância. Como cães adestrados, também seguimos a voz de comando de quem determina o caminho a seguir. Em alguns momentos a nossa voz chega a ser abafada pelo silêncio dos que nos cercam. Nada tem mais força que a palavra sonorizada. Produz lágrimas e sorrisos rasgados. Faz pensar e bloqueia pensamentos. Desencadeia a emoção e semeia dúvidas. É a hospedeira de todos os sentimentos.     

A voz permite imaginar características físicas de quem não conhecemos. Um amigo ficou perdidamente apaixonado pela voz sensual da telefonista de uma empresa de Curitiba. Ele chegava a ligar mais de 10 vezes por dia, só para ouvir a voz maviosa de quem ele imaginava ser o céu em forma de mulher. Depois de tantos desencontros, finalmente chegou o dia de conhecer a dona da voz. Desencantado, o meu amigo jura que era uma sósia do Tim Maia, incluindo a barriga e a cabeleira. A única beleza era a voz da criatura. Muito pouco, segundo ele, para levar adiante uma paixão.

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *