AÍ ESTÁ O RESTO DE VOCÊ

Publicado em: 22/04/2007

De Mesa em mesa rabiscou lágrimas. De esquina em esquina, falou de amor… De que adiantou ter na mente as palavras mais lindas, se as disse às pessoas erradas?
Por Donato Ramos

De que adiantou ser o poeta das ruas, se hoje os seus versos perderam as rimas e ficaram bailando na imensidão sem fim do esquecimento das mulheres que pensou amar…?
Vá, poeta! Forme em livros as suas mais ternas palavras… Vá, poeta! De mesa em mesa, de garrafa em garrafa, vá curtindo penas… Um dia, alguém se levantará em sua defesa, para dizer: Este, sim, soube esquecer e dedicar-se às melhores coisas do espírito?
Nunca!
Por isso, poeta, continue falando de amor… continue falando das mágoas que envolvem todo o seu ser. Vá, poeta, de porta em porta, cantar as suas melodias e verá baterem-se em seu rosto, todas as portas.
Escute, poeta: de que adiantou escrever e cantar tanto, se continua sozinho, ouvindo o néon das madrugadas a gargalhar em cada luminoso?
Eis o que resta de você: um violão cansado… uma mente aturdida… um livro de saudade, esquecido em qualquer gaveta de moça que não sonha mais. De que adiantou ser o que foi? O que interessa é compenetrar-se de que é o que é. NADA.
Da Redação:
O poeta, cronista, radialista, jornalista, músico, pintor, compositor e escritor Donato Ramos aniversária quarta-feira, 25 de abril. Donato nasceu num sábado do ano de 1936 em Echaporã, SP, sob o amparo do Bicho Carpinteiro – aquele bichinho incansável que transforma em pó qualquer madeira e que a gente chama de Cupim. Donato é assim: furunga tudo, mexe em tudo, bedelha tudo, desmonta tudo e monta tudo de novo, à sua maneira claro. Assim o menino começa, ali mesmo, em Echaporã, a mexer com rádio, bem novinho, vai para o Paraná e depois vem pra Santa Catarina. Irrequieto sempre, volta pro Paraná, vem pra Santa Catarina, volta pro Paraná. Agora, diz que seu retorno a Santa Catarina é pra ficar. Arriou as tralhas no Campeche, aqui no sul da Ilha. Faz o que? O que sempre fez: não tira o olho da mídia pra acompanhar a performance dos filhos que são esqueitistas profissionais e vivem ganhando prêmios pelo mundo. Sobra um tempinho pra uma olhada na praia e pra escrever, escrever, escrever. Logo ta saindo mais um livro de crônicas. Vive inventando coisas. “Tem bicho no rabo” como dizia o seu Anselmo. Sonha, sonha, sonha. Sonha tanto que um dia as coisas que sonha acabam virando realidade. E aí o bicho vai pegar. Bicho Carpinteiro não perdoa.
Vamos encher a caixa de correio dele de muitos Parabéns, Saúde, Alegria, Paz e Amor?
Então manda bala: [email protected]

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *