Alda Niemeyer é ícone vivo do radioamador no Vale do Itajaí

Publicado em: 02/09/2020

Vovó Alda é mais do que conhecida, é um ícone de Blumenau. Em 2020, a radioamadora Alda Niemeyer completou 100 anos de uma vida repleta de aventuras e história para contar.

Alda Niemeyer tem 100 anos e é radioamadora ícone de Blumenau – Foto: Reprodução/Facebook

Antes de se tornar a Vovó Alda do radioamador ela já havia trabalhado como enfermeira na Segunda Guerra Mundial, na Alemanha, e criado seis filhos.

O radioamadorismo é um hobby que Vovó Alda começou já nos anos 1970, mas foi durantes as enchentes de 1983, já com 63 anos, e 1984 em Blumenau que ela mostrou o quanto a atividade era mais do que um passatempo.

Já experiente, ela mantinha contato com radioamadores de todo o Estado, quando ouviu a notícia que não queria, mas precisaria transmitir. “Quando a gente percebeu que estava subindo a água do rio, já tínhamos comunicado por radioamador com Florianópolis. Numa tarde eu estava no meu rádio falando com os colegas aqui, que já tinham formado uma rede, uma voz de Florianópolis disse ‘Vamos ter água, 14 metros ou mais. Avisa a prefeitura’”, relembra.

Ela também foi procurada por uma equipe da antiga Telesc, para ingressar na equipe de comunicação que possibilitava atendimentos e resgates durante as semanas em que as águas do Rio Itajaí-Açu transbordaram pelas ruas de Blumenau. “Bateu alguém na porta, eram dois funcionários da Telesc: ‘Tem um radioamador aqui?’, perguntaram. A Beatriz disse ‘É a minha mãe’. Eles ficaram um pouco decepcionados que era uma mulher e não um homem, mas me levaram”, conta.

A enchente em Blumenau durou 32 dias. Alda trabalhou por semanas na oficina da Telesc como radioamadora, passando instruções para os pilotos de helicópteros de resgate que vinham de outros lugares do Brasil e não conheciam Blumenau, mas também cozinhando e limpando, com outros 16 homens que estavam de plantão como ela.

Vovó Alda lembra de momentos de tristeza, como o de um piloto que não chegou a tempo de resgatar uma criança doente e de um colega, radioamador como ela, que passou mal pela estafa do trabalho naqueles dias, mas entende até hoje a importância do trabalho de comunicação que a rede de radioamadores construiu naquele momento. “Blumenau é uma cidade maravilhosa, com uma população fantástica. Vencemos essa enchente, um ano depois, em 1984, repetimos por 24 horas a mesma água, o mesmo desastre, o mesmo medo, mas era um dia só, uma noite só, e depois de uma semana em Blumenau não se via mais nada. A minha cidade, é uma cidade valente”, declara.

(Confira a matéria completa no ND, 02/09/2020)

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *