Alunos de Cinema começam a gravar os TCCs

Publicado em: 22/08/2011

ACADEMIDIA | Diga aqui o que você está pensando (*)


André Silveira Thys, formando do curso de Cinema e Vídeo da Unisul, gravou seu trabalho de conclusão de curso. Para ele, essa produção é fruto da insistência. Ele alimenta essa a mesma ideia desde a terceira fase do curso. O filme é Sinal Fantasma, nele André foi roteirista e colaborou com a produção artística, como a Mochila-Rádio que o personagem usa. “A idéia é muito mais antiga. A história começou a surgir em sensações que certos lugares me passavam, principalmente prédios e instalações de arte que visitava quando pequeno. Estas sensações me fizeram imaginar um lugar, um outro mundo. Conforme eu cresci fui entendendo de que modo esse mundo poderia existir se utilizássemos conhecimentos de áreas da ciência como a física quântica e a teoria do multiverso”, explica André.

“A idéia é muito mais antiga. A história começou a surgir em sensações que certos lugares me passavam, principalmente prédios e instalações de arte que visitava quando pequeno. Estas sensações me fizeram imaginar um lugar, um outro mundo. Conforme eu cresci fui entendendo de que modo esse mundo poderia existir se utilizássemos conhecimentos de áreas da ciência como a física quântica e a teoria do multiverso”, explica André.

Praticar a ideia é outro desafio. André deu sequência e começou a projetá-la. “A partir dai trabalhei o roteiro atual para tentar, em suma, reproduzir visual e sonoramente as sensações que tenho quando imagino esta outra dimensão.

A produção foi elaborada desde o principio para utilização do chroma key (técnica de efeito visual que consiste em colocar uma imagem sobre uma outra), que permitiria utilizar atores reais no cenário, mesmo que este acabasse sendo surreal. O que em outra ocasião teria tornado-se uma animação.

Esse tipo de produção ainda não havia acontecido na Unisul, André e a equipe assumiram o risco. “A escolha da equipe foi, na verdade, um agregado de pessoas conhecidas durante o curso, que partilhavam das mesmas ideias e tinham sintonia, e boa parte de recomendações daqueles que trabalhavam bem na área”, explica André.??Esta não é a primeira experiência cinematográfica de André. Na primeira fase contribuiu com os trabalhos do curta Abismal e, posteriormente, Madeleine. Ele projeta o futuro. “Pretendo expandir meu conhecimento de gráficos em 3D, efeitos especiais, edição, e também em sair do país, dentre outros motivos, pelo mercado de trabalho mais abrangente”, e fala dos ídolos “Alguns cineastas me inspiram, principalmente em questão conceitual e visual. Alguns nomes são Andrei Tarkovski, Tim Burton, George Lucas, entre outros”.

André gostou da passagem pela Unisul. “Há muitas coisas que aprendemos, mas principalmente o ato da realização audiovisual foi o que mais aprendi durante o curso. Como funciona uma produção, o que cada cargo faz. As hierarquias, planejamentos, transformar a ideia em algo real, e assim por diante. Ainda assim, gostaria que o curso incentivasse mais as produções elaboradas, pois são nestas que mais se aprende”, diz André. Unisul Hoje | Colaborou Mara Salla.
(*) Esse espaço está reservado permanentemente para você – estudante, professor, pesquisador, profissional de comunicação – que queira publicar os resultados dos seus estudos acadêmicos ou científicos. Contate: [email protected]

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *