Antunes Severo: o menino do arroio Itapevi

Publicado em: 16/07/2012

Livro conta trajetória de um dos maiores nomes da comunicação em Santa Catarina

Há 80 anos, quem imaginaria as versões compactas que um rádio poderia ganhar? Quem sonharia em carregar suas músicas preferidas em mídias mais finas que um biscoito? Pois as trilhas da nossa vida agora estão lá: no chip, no pendrive, no CD, na nuvem, onde quisermos ou estivermos, para surpresa de Antunes Severo, um dos personagens mais expressivos da comunicação em Santa Catarina, que terá sua biografia lançada no dia 2 de agosto, às 19h, no Palácio Cruz e Souza, com autoria da jornalista Ana Lavratti. Nascido no interior do interior do Rio Grande do Sul, em uma família de poucos recursos, Antunes Severo desbravou desde cedo os meandros das dificuldades sociais: ficou órfão antes mesmo de conhecer o pai, viveu de favor na casa de parentes, fez trabalhos forçados para ajudar na renda da família, cresceu sem estudo, sem cidadania, sem ao menos um documento que o identificasse.

Mas nenhum obstáculo, econômico ou social, era maior do que seu sonho de trabalhar na rádio… do lado de lá daquela caixa brilhante ligada por tantos fios ao cata-vento instalado no teto da casa… do outro lado dos alto-falantes, que animavam o “footing” nas praças do interior… com a voz firme e o coração alado, libertando em cada microfone o dique da inspiração.

Escolhido o Melhor Animador de Rádio do Paraná, criador da agência de publicidade A.S. Propague, professor universitário, executivo da comunicação, Secretário de Estado da Comunicação Social, fundador da ADVB-SC, autor de livros, primeiro presidente do Instituto Caros Ouvintes, idealizador de campanhas e coberturas históricas, colecionador de amigos e fãs, Antunes Severo tornou-se mais do que um guru da comunicação no sul do país. É um empreendedor nato, um exemplo de ousadia e abnegação.

“Eu sou alguém que tinha tudo para dar errado e ainda assim deu certo, e é por isso que tive a coragem de compartilhar a minha história, na esperança de que ela convença um leitor desanimado a não abrir mão do seu sonho e da sua vocação”, resume o personagem da biografia que terá noite de autógrafos às 19h, no Palácio Cruz e Sousa, na Praça XV de Novembro.

Autora do livro “O Menino do Arroio Itapevi”, a jornalista Ana Lavratti acumula experiência na mídia impressa, eletrônica e em comunicação institucional. Entre os cargos que ocupou, foi editora do Diário Catarinense, apresentadora do Jornal da TVBV e repórter da Band em SC – tendo realizado inúmeras coberturas ao vivo com transmissão nacional. Atualmente, é sócia do escritório Informação, através do qual presta assessoria de imprensa a clientes regionais e nacionais.

No âmbito da literatura, além de revisar várias obras, lançou no ano 2000 o livro “Seus Olhos – Depoimentos de quem não vê como você nunca viu”, no qual, a partir da biografia de deficientes visuais que frequentam a Associação Catarinense para Integração do Cego, aborda as dificuldades e a superação diária de quem convive com a cegueira. Com prefácio de Mario Prata, a obra teve tiragem de 5 mil exemplares e recebeu grande acolhida da imprensa e do público em todo o país.

Dados sobre o personagem:

Quando Sargento, comandou o Show de Calouros da ZYK-6 Rádio Clube de Três Corações / Minas Gerais;

Trabalhou nas rádios Rio Negro (PR), Rádio Marumby (PR), Rádio Clube Paranaense (PR), Rádio Diário da Manhã (SC), Rádio Guaíba (RS), Rádio Difusora de Itajaí (SC), Rádio Guarujá (SC);

Secretário Geral na primeira gestão da Associação Paranaense de Rádio;

1956 – Escolhido Melhor Animador do Rádio do Paraná;

Executivo no processo de lançamento da Rádio Difusora de Itajaí / Santa Catarina;

Fundador da agência de publicidade A.S. Propague, que na época levava suas iniciais;

Chefe de gabinete da Secretaria de Imprensa do Governo do Estado, com Adolfo Zigelli;

Primeiro presidente do Diretório Acadêmico da ESAG;

Graduado em Administração pela ESAG; com Especialização em Administração Pública;

Professor (hoje aposentado) da ESAG;

Coordenador do Curso de Pós-graduação em Marketing da Udesc;

Assessor de Imprensa da Reitoria da Udesc;

Mestre pela Udesc, com a dissertação O Ensino da Administração: os casos da Fundação Getúlio Vargas e da Fundação de Estudos Superiores de Administração e Gerência;

Primeiro gerente comercial e gerente executivo da RBS Santa Catarina, de 1979 a 1983;

Gerente de marketing da Band SC, então TV Barriga Verde, de 1983 a 1985;

Diretor comercial do jornal O Estado, de 1985 a 1987;

Secretário de Comunicação do Governo de Santa Catarina, nos anos de 1987 e 1988;

Primeiro presidente da ADVB-SC, nomeado após grande mobilização pra a implantação da Seccional;

Em atuação no Instituto Caros Ouvintes, ong FloripAmanhã e confraria dos ComGurus.

Dados sobre a autora: Ana Lavratti

Resumo da experiência profissional: Graduada em Comunicação Social – Jornalismo pela UFSC; experiência como repórter e editora no Diário Catarinense, Band/SC e Band/nacional; sócia do escritório de comunicação Informação, onde há 14 anos oferece assessoria de comunicação a clientes com atuação regional e nacional. No ano 2000 lançou o livro Seus Olhos – Depoimentos de quem não vê como você nunca viu. Com prefácio de Mario Prata, a obra teve sua tiragem de 5 mil exemplares esgotada.

 

Considerações sobre a obra:

“A soma das décadas acompanhando a vida do menino de Itapevi deixa aquela convicção de que não há predestinados: há os lutadores, que se impõem desafios maiores que eles mesmos, e que, ao vencê-los, premiam a todos nós”. Sonia Bridi, jornalista da TV Globo.

“Antunes é um self-made man que, saído de uma infância humilde no interior e após um contato tardio com o estudo, triunfou como radialista e publicitário, tornou-se professor universitário e conquistou respeito em tudo que fez”. Roberto Costa, publicitário e presidente da agência Propague.

“Desconfio que Antunes Severo não seja exatamente uma figura humana. Pelo que realizou, pelos obstáculos que superou, e pelo que sua enorme visão pretendeu realizar, sei não. Considero esta história de um menino sem certidão de nascimento até a maioridade bem difícil de acreditar. Minha hipótese é de que isso é um conto para explicar um anjo extraviado, que errou seu plano de voo, bateu na Serra do Caverá e caiu no arroio Itapevi. E, tendo perdido as asas, não teve alternativa a não ser a de vir cumprir o seu plano divino aqui nesta Ilha da Magia”. Eduardo Meditsch, professor e pesquisador da UFSC.

“Radialista, jornalista, professor universitário e pioneiro na publicidade estadual, Antunes Severo escreveu páginas memoráveis na história da comunicação catarinense. Esta feliz e oportuna iniciativa da jornalista Ana Lavratti não representa apenas uma merecida homenagem a um dos destaques do rádio na segunda metade do século passado em Santa Catarina. Com um texto leve e objetivo, a autora permite saborosa viagem a uma Florianópolis que não existe mais e que deixa saudades para muitas gerações”. Moacir Pereira, jornalista do Grupo RBS e escritor.

Propague | Assessoria de Imprensa | Cláudio Schuster | (48) 9163-4269

6 respostas
  1. jose predebon says:

    EAS, mardito, cume que se faz pra ter essa luz na carreira? Só num morro dinveja porque te amo, com licença da preta. Parabéns e beijão na pleura esquerda, a do coração – do predeba 120718

  2. Walter Souza says:

    O texto da Aninha, foi muito SEVERO com o Eurides. Antunes ela deveria lavrati o texto e não oitentar as coisas. Parabéns meu guri, ainda chego lá e parabéns pela nossa jovencita jornalista. soiza.

  3. Franciane Maciel Dutra says:

    Diante de todo esse sucesso, não tenho dúvidas de que escolhi
    o personagem perfeito para meu TCC. Parabéns, Antunes Severo. Este reconhecimento
    é mais do que merecido.

  4. Antunes Severo says:

    Ao responder para a Franciane que antes mesmo de saber do livro me escolheu para personagem do seu trabalho de conclusão do curso de Jornalismo da Estácio de Sá SC, estendo meu agradecimento a todos que já se manifestaram por e-mail, neste portal e no blog http://www.antunessevero.com.br
    Tenham certeza que a energia de vocês me inspira e fortalece para continuar trabalhos voluntários como este do Caros Ouvintes.

  5. ENO JOSÉ TAVARES says:

    Sorte de todos nós que não precisamos mais ler em tabuinhas no exato momento da notícia do Livro Severo, pois que estamos a milênios e milênios daqueles tempos. Tempos em que ora eram tabuinhas de argila, ora lascas de madeira, ou então paredes e tetos de cavernas, soturnas cavernas, que – como agora – falavam sobre um personagem único… em seu todo. Sorte nossa que a Ana Lavratti vive a mídia eletrônica e suave como ela é… delicada como sabe ser… determinada e incomparável… vai entregar à multidão de admiradores do SEVERO, algo tão delicado como a doce leveza do ser… Esses rios, esses riachos e arroios de nossas infâncias, nos transformam em douradas piavinhas que brilham ainda em nossas mentes como um dia brilharam ao sol de nossas fantasias… O que por certo está esculpido é uma lavratura de amor ao ícone, que meninimho sempre será… Mas também o Mestre memorável que jamais esqueceremos.

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *