As pioneiras: Rádio Rio Negrinho

Publicado em: 22/06/2005

A cidade de Rio Negrinho, no norte catarinense, entra nas ondas do rádio em agosto de 1948 com a inauguração da ZYR-4. Em 1953, Rio Negrinho se emancipa e passa à categoria de município, ao mesmo tempo  em que se projeta nacionalmente como a “Capital dos Móveis” através do trabalho da empresa Móveis CIMO.
Por Antunes Severo

Rio Negrinho a par de sua vocação moveleira, cultiva as artes e a música como atividades indispensáveis à sua vida em comunidade. De acordo com dados da Prefeitura Municipal, um por cento da população está matriculada e fazendo música nas diversas modalidades oferecidas pela Escola de Música Professor Valdeci Maia de Rio Negrinho. Por isso, “nas casas e nas festas a alegria é toda em forma de música com grupos típicos como o Oberland, famoso em todo país”.

Conforme depoimento do radialista Aristides Sauer, em junho de 1999, relatado no livro História do Rádio em Santa Catarina, “A  Rádio Rio Negrinho Ltda teve o seu pedido de licença liberado pelo governo federal em 25 de agosto de 1948. Os seus fundadores foram o comerciante Arthur Meier, o bancário Egon Hussman, o farmacêutico Péricles Virmond e o industrial Bernardo Olsen Neto”.

“A emissora entrava no ar sob o prefixo ZYR-4, com 100 watts de potência. A programação era comandada por  Egon Hussman e sua esposa Irene Hussman, que foi também a primeira técnica de som. Mais tarde a Rádio passou a ter quatro funcionários e alguns voluntários. Em 1950 a direção da Rio Negrinho passou a ser exclusiva de  Arthur Meier e sua esposa  Eugênia Kwitschal Meier. Alguns quadros como a Oração da Ave Maria acompanham a programação da Rádio até os dias de hoje.

Na próxima semana: Rádio Jaraguá é inaugurada com festa e transmissão direta do Clube Baependi.

Fontes consultadas

Medeiros, Ricardo. Vieira, Lúcia Helena. História do Rádio em Santa Catarina. Florianópolis: Insular, 1999.

Links Relacionados

http://www.radarsul.com.br/rionegrinho/default.asp
http://www.acaert.com.br/


{moscomment}

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *