Assessoria de Imprensa, uma nova versão

Publicado em: 29/06/2009

Assessoria de Imprensa: Teoria e Prática, lançado em 1993 por Elisa e Ferraretto aborda a atividade de assessoria de imprensa e suas repercussões no mercado da comunicação social. A versão que acaba de ser lançada aprofunda o estudo e apresenta caminhos, principalmente, para novos profissionais.

Em quinta edição o livro apresenta um painel atualizado sobre a área que é um dos maiores mercados de trabalho para o jornalista brasileiro.

Os autores abordam questões éticas e legais dos diversos campos de atuação do profissional, além de fornecer informações sobre as origens históricas da atividade. A parte prática fica por conta da quantidade de modelos atuais aplicados na produção de materiais informativos para diferentes mídias, desde a organização de entrevistas coletivas e controle da informação até a elaboração de mailing list entre outros aspectos de interesse do profissional.

As inovações tecnológicas, a diversificação dos veículos de comunicação e as mudanças na função e no perfil do assessor de imprensa estão contempladas na nova edição. “O objetivo é instrumentalizar o profissional e alertá-lo para a importância do comportamento ético nas relações com os colegas dos veículos de comunicação”, afirma Elisa.

Elisa Kopplin Ferraretto é graduada em Jornalismo e mestre em Comunicação e Informação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atua há 20 anos como assessora de imprensa, acumulando, em sua carreira profissional, experiências na área e também na edição de publicações especializadas – reportagem, redação e revisão para jornalismo impresso – e docência em cursos universitários de Comunicação.

Luiz Artur Ferraretto é graduado em Jornalismo e doutor em Comunicação e Informação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professor universitário de Comunicação, soma à sua trajetória passagens por jornais, emissoras de rádio e de televisão e assessorias de imprensa. É autor dos livros Rádio – O veículo, a história e a técnica; Rádio no Rio Grande do Sul (anos 20, 30 e 40): dos pioneiros às emissoras comerciais e Rádio e capitalismo no Rio Grande do Sul: as emissoras comerciais e suas estratégias de programação na segunda metade do século 20.

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *