Até a BBC faz mea culpa por divulgação do caso Paula Oliveira

Publicado em: 20/02/2009

Há quem não acredite na imprensa. Sei que algumas pessoas dizem não acreditar em praticamente nada do que lêem em jornais, revistas, ouvem no rádio ou vêem na televisão. Por Rogério Simões

Tal pensamento representa para nós, jornalistas, um desafio. Mas também deveria servir de inspiração. Afinal, a dúvida, ou muitas vezes até o ceticismo, é uma das maiores armas do bom jornalismo. Qualquer repórter, ao receber no colo uma informação nova, deveria fazer duas coisas: em primeiro lugar, duvidar; em segundo, correr atrás das fontes pertinentes para saber se sua dúvida tem, ou não, fundamento. É preciso se mexer, mas sem abandonar seu papel de questionador.

O caso envolvendo a brasileira Paula Oliveira, que afirmava ter sido atacada por três neo-nazistas na Suíça, deixou o governo brasileiro e boa parte da imprensa do país em situação delicada. O episódio chocou a opinião pública por causa da tortura que teria sido aplicada, com cortes em várias partes do corpo da vítima, e porque o suposto ataque teria provocado o fim de uma gravidez de gêmeos. Mas pouco depois peritos suíços comprovaram que Paula não estava grávida no dia em que disse ter sido agredida e disseram que os cortes podem ter sido infligidos por ela mesma. Na terça-feira, dia 17, a advogada foi indiciada e impedida de deixar a Suíça, sob acusação de “induzir autoridades ao erro”.

O problema da maioria da cobertura jornalística desse caso no Brasil foi a falta de dúvida de muitos jornalistas. As palavras ditas pelo pai da suposta vítima foram apresentadas por grande parte da mídia como a verdade absoluta. Para piorar, o governo brasileiro as abraçou completamente e as revendeu a veículos de imprensa, entre eles a BBC Brasil, como um fato comprovado e digno do selo presidencial.

Nós, aqui na BBC, somos pagos para duvidar. Constantemente a BBC se vê no dilema entre dar uma notícia rapidamente ou esperar alguma confirmação adicional. Nossa obrigação é optar pela confirmação, o que faz com que a BBC pareça “lenta” em algumas notícias levadas ao ar imediatamente por outros veículos. No caso da brasileira na Suíça, nós ficamos sabendo do suposto ataque na noite de quarta-feira, dia 11. “Quem está dando a notícia?”, perguntei ao redator que me ligara de São Paulo para a redação aqui de Londres. “Está na TV.”

Fomos checar em agências de notícias, e nada. A parte em inglês da BBC desconhecia. Aqui, se o caso não foi apurado diretamente por nós, precisamos de pelo menos duas fontes para publicá-lo no site ou levá-lo ao ar. Ou alguma fonte de credibilidade a que possamos atribuir as informações. Mas não tínhamos nada disso e não podíamos nos basear apenas num canal de televisão, que por sua vez se baseava em um blog. Preferimos esperar para saber se o governo brasileiro se pronunciaria sobre o assunto.

Ainda naquela noite, depois de falar com um porta-voz do Itamaraty, publicamos nosso texto. Atribuímos tudo ao Ministério das Relações Exteriores. Em nove curtos parágrafos, nosso redator Caio Quero teve o cuidado de dizer seis vezes que o Itamaraty era o responsável pelas informações. O texto ainda se referia aos agressores como “supostos neonazistas”. Foram cuidados editoriais importantes, que resultaram em um texto correto. O governo brasileiro estava divulgando um caso chocante como verdade, o que era uma notícia que não poderíamos ignorar. Mas não apresentamos nada como fato consumado. Tudo o que descrevemos eram hipóteses, tudo era “segundo o Itamaraty”. Onde poderíamos ter feito melhor foi no título. “Brasileira grávida de gêmeos é agredida na Suíça e perde bebês”, dissemos. Mas o melhor teria sido algo como “Brasileira diz ter sido agredida na Suíça e perdido bebês” ou “Itamaraty denuncia agressão a brasileira na Suíça”.

Na manhã seguinte, ao chegar à redação fui informado que nosso repórter em Berlim, Marcio Damasceno, nos alertava para o fato de que na Alemanha uma mulher havia sido condenada por acusar neonazistas de atacá-la, quando na verdade ela mesma tinha se cortado. Não publicamos isso, mas a informação serviu como um fator a mais para alimentar nossa dúvida. Confesso que fui pego de surpresa. Apesar do cuidado da noite anterior, minha tendência naquele momento era achar que a história fosse verídica. Ficamos então ainda mais atentos para não abraçá-la indevidamente. O caso segue sendo investigado na Suíça, e ainda não está provado se o suposto ataque ocorreu ou não.

O episódio traz certamente muitas lições para a imprensa. No caso da BBC Brasil, olhando para trás sempre se pode dizer que poderíamos ter feito melhor. Mas acredito que fizemos, em grande parte do processo, o que todo jornalista deveria quando se depara com um fato novo em suas mãos: duvidar sempre, enquanto corre atrás dos fatos para esclarecer sua dúvida.

POSTADO ÀS 17:20 EM 19 DE Fevereiro DE 2009 no blog de Jamildo

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *