Entries by Vilarino Wolff

HB 150: a população da colônia aproximava-se dos mil moradores

Além das terras cedidas do governo imperial, que assumia em 1860 as responsabilidades pelo destino da colônia, o empreendimento registrava na época: um telheiro na barra do Itajaí-mirim para desembarque de imigrantes; uma casa para recepção aos imigrantes, capaz de acomodar de centro e sessenta a duzentas pessoas; outras três casas com a mesma finalidade […]

HB 99: Dr. Blumenau, extraordinária capacidade de realização

Já conhecemos essa passagem a partir da história de Blumenau. Vamos revê-la agora a partir da história da vida do fundador da cidade. Este é, sem dúvida um dos momentos mais significativos para entendimento da personalidade, da convicção e da formação integral do ser humano a quem essa cidade e sua gente devem a situação […]

HB 98: Assembleia rejeita proposta do Dr. Blumenau

Os projetos do Dr. Blumenau foram muito bem recebidos pelo governo Imperial. Considerados úteis e vantajosos levaram os ministros competentes a receber o seu autor amavelmente, tendo deles um aceno que lhe deu esperanças. Encaminhados à Assembleia Legislativa, naquele tem ainda não era Câmara dos Deputados, foram rejeitados. Isso levou o Dr. Blumenau a uma […]

HB 97: Blumenau insurgiu-se contra a picaretagem

Blumenau nada tinha a ver com aquela gente. Insurgia-se, porém, contra a picaretagem dos maus empresários da colonização. Não aceitava também a falta de seriedade das autoridades as quais cabia a reparação de tão calamitosa situação. Insistiu na busca de uma solução até que encontrou apoio no núncio apostólico Dom Badini. O religioso conseguiu, orientado […]

HB 96: Blumenau torna-se cético em relação aos cônsules e diplomatas

A frustração quanto a possibilidade de assumir uma escola politécnica de acordo com promessa do Consul Geral da Alemanha não foi a única. E Blumenau se colocava diante de uma realidade não prevista em seus planos. No início de 1847 passava por nova decepção e essa experiência o tornou cético em relação aos cônsules e […]

HB95: Hermann Blumenau vai à Corte buscar subsídios

Depois de curta estada na província do Rio Grande do Sul, doutor Blumenau seguiu para o Rio de Janeiro passando por Desterro, atual Florianópolis, capital que recebeu essa denominação em homenagem ao presidente Floriano Peixoto. Na capital do Império chegou no dia quatro de agosto, lá permanecendo por oito meses. Foi um período em que […]

HB 94: encarando o destino

Hermann Blumenau entrou em contato com a Sociedade de Proteção aos Imigrantes Alemães no Sul do Brasil por intermédio de Alexandre von Humboldt. Era o ano de mil oitocentos e quarenta e quatro e a entidade havia sido fundada dois anos antes. Dessa sociedade ganhou a missão de estudar “in loco” as condições brasileiras e […]

HB 93: Blumenau era avesso à escravidão

O documento do Marquês de Abrantes foi mais abrangente. E uma das questões que irmanou as intenções e identificou as ideologias foi a repugnância pela escravidão. Assim também pensava o jovem Blumenau. A exploração do homem pelo homem já era, a seu tempo, uma questão rejeitada pelos humanistas e condenada pelas pessoas para as quais […]

HB 92: os meios de promover a colonização

O documento do Ministério dos Negócios Estrangeiros do Rio de Janeiro, lançado na Alemanha pelo Marquês de Abrantes, não poderia ter chegado em melhor hora nos planos do jovem Blumenau. O seu Tratado, eivado de informações precisas e afirmações bastante amadurecidas, algumas contundentes, inclusive, em função da inapetência dos governantes alemães em encarar o assunto, […]

HB 90: Só o alemão não conquistara nem o céu nem o inferno

Hermann Blumenau finalizou o seu tratado com palavras duras. Havia nelas não um sentido, mas um sentimento crítico capaz de dar o que pensar a quantos tivessem algum tipo de responsabilidade pela Alemanha daquela época. Disse ele: “antes, porém, que os alemães se unissem, há muito já que havia passado o dia do Juízo Final; […]