Brasil também dá sua cota de humilhação ao povo cubano

Publicado em: 28/08/2013

Há carência de médicos para atender a todos os brasileiros com dignidade?

Ao responder sim estamos admitindo fracasso dos governos da geração que combateu a ditadura militar. Submergimos, como todos os demais governos em todos os países da chamada esquerda do Século 20, porque tínhamos apenas discurso simplório, tosco, espécie de ladainha requentada por intelectuais mentalmente imberbes e que a realidade teima em recusar. Que droga de realidade, hein?

Vamos para mais de 20 anos no mando do País e absolutamente nada de novo e profundo estruturamos na área da saúde pública, chegando ao impasse de não termos médicos suficiente para atender toda a população.

E ao apresentar a solução da importação de médicos (em termos de globalização virtual isso não deveria gerar estranheza) caímos em duas contradições além, óbvio, de assinarmos o atestado de incompetência administrativa referido.

Ao trazermos médicos cubanos estamos apenas prolongando a agonia da tirania que há mais de 60 anos humilha o povo da Ilha, mantido em verdadeiro cativeiro pela lavagem cerebral do governo que faz tudo que o mundo civilizado condena. O que sustenta a Ilha hoje é 1) o turismo (entre Canadá e Terra do Fogo, Cuba é sem dúvida o país mais atraente no que se refere ao turismo sexual); 2) os dólares que os “gusanos” balseiros enviam de Miami (o tirano Fidel sentiu a importância disso para seus planos e despenalizou o porte da moeda imperialista quando derreteu a União Soviética) para que familiares que ficaram padeçam menos; 3) o petróleo que a Venezuela entrega grátis; 4) as migalhas dessa grana da mão de obra (para mim é escrava), usada dentro e fora.

O que Fidel Castro manda ao Brasil é, queiramos ou não, mão de obra escrava, assim como é mão de obra escrava a dos cubanos que trabalham em hotéis de luxo existentes na Ilha. O povo humilhado se sujeita a tudo no país de racionamento eterno onde o médico ganha menos de 30 dólares por mês. O médico que entrevistei completava a renda criando porcos com ração roubada da fábrica estatal…

Não há como tergiversar: o que vem para cá é mão de obra escrava. O Governo cubano receberá dez mil reais por médico (formado em que condições?), mas repassa só uma pequena quantia ao profissional, retendo a maior parte do salário para si (assim como faz refém a família desse profissional). Como se chama isso? Salvo melhor juízo, simplesmente, mão de obra escrava. Quem já não viu esse filme no Brasil?

Para completar, a ironia das ironias: quem foi para as ruas nos anos de 1960 e de 1970, arriscando a vida para combater a ditadura militar brasileira hoje participa de um governo que usa dinheiro público, dinheiro de todos, para ajudar a manter em pé uma tirania que agoniza e humilha a maioria da população. Quem apoia a vinda dos médicos cubanos nessas condições de pagamento suportaria viver em Cuba sem jornais, rádio e televisão livres, sem democracia como a que vivemos no Brasil de hoje, sem juízes independentes, sem sindicatos livres, sem liberdade para formação de partidos políticos, sem condições de sair às ruas para protestar?

Afinal, por que os black bloc não vão para as ruas em Cuba e Coréia do Norte, por exemplo? Mais: quem já ouviu noticia de alguém fugindo de Miami para Cuba ou da Coréia do Sul para a Coréia do Norte? Vocês não acham isso estranho? Sim, a esquerda brasileira ajuda a manter a tirania que humilha o povo cubano!

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *