Característica do rádio (I)

Publicado em: 06/03/2006

Gostaria de comentar três características do rádio: a sua linguagem, penetração e mobilidade. Em relação ao primeiro ponto, para entrarmos em contato com o ouvinte precisamos somente da linguagem oral, ou seja, da fala.
Por Ricardo Medeiros

Desta forma, este veículo leva vantagem sobre os demais meios de comunicação, uma vez que atrai para si uma grande camada de analfabetos. No entanto, você deve estar ciente que está falando para um público de nível cultural menos elevado do que a dos impressos. Seja, então, conciso e simples na linguagem oral.
O rádio penetra em todas as regiões do Brasil. Nos lugares mais longínquos deste imenso país, uma emissora de rádio certamente será captada. Um rádio de pilha, por exemplo, faz maravilhas. A televisão, ao contrário, possui ainda algumas restrições para ser sintonizada em todo território brasileiro.
Uma emissora de rádio local, independente de estar em rede, pode atingir todas as regiões, bem como ser sintonizada em outros países, através das ondas curtas. Fora isso, via internet, determinada rádio pode igualmente ser ouvida em qualquer canto do planeta. Um caso interessante é de Manoel Nunes. Nascido em Florianópolis (SC), há mais de 15 anos reside em Paris. Pela WEB Maneca sintoniza a CBN Diário, da capital catarinense, para religiosamente acompanhar os jogos do Avaí, seu time de futebol do coração.
O rádio é móvel e prático, principalmente com o surgimento do celular. Acidente na BR, assalto em um banco, fogo em um prédio no centro da cidade. Não há problema para a cobertura. Pegue o carro e este pequeno aparelho para que a sua estação esteja em poucos minutos in loco detalhando para o ouvinte tudo o que se passa.  É o imediatismo do rádio que tem a chance de transmitir o fato no momento em que acontece. A televisão não é contemplada com a mesma facilidade, pois precisa de um caminhão de externa e sua parafernália, além de uma boa posição para que as imagens cheguem nítidas até a central.
O rádio é móvel em outro aspecto. O ouvinte não é obrigado a ficar, como antigamente, ao pé do aparelho à válvula. Com o transistor, hoje você tem equipamentos de todos os tamanhos para instalá-lo e levá-los onde quiser. É rádio no banheiro, na cozinha, na sala, no quarto. E ao sair de casa, você tem rádio no carro ou no ônibus. No escritório ou na fábrica outro receptor vai estar à sua espera para que você ouça o noticiário, músicas de todos os tipos e até quem sabe se divirta com o locutor que brinca com o ouvinte no quadro “não diga não”.  Bom programa.        
PS: Conforme o dicionário Aurélio, transistor é um dispositivo constituído por semicondutores, e que pode funcionar como um amplificador de maneira análoga a uma válvula eletrônica. A sua descoberta foi feita, em 1947, pelos físicos americanos John Bardeen, Walter Brattain e William Schockley. Na década de 1950, o transistor foi aperfeiçoado sendo aplicado, desde então, nos mais diferentes equipamentos eletrônicos e com custo de fabricação cada vez menor.


{moscomment}

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *