Certeza da divulgação de nossas conquistas

Publicado em: 21/04/2013

O Maury foi para nós, atletas e dirigentes daquele tempo, a certeza de divulgação de nossas conquistas.

Fausto Silva*

Fausto, presidente da FCFS. 1974

Em Florianópolis, na Av. Hercílio Luz, homens de valor plantaram as raízes do desporto de quadra e deram ao espaço o nome de Estádio Santa Catarina, popularmente chamado de FAC, sede da Federação Atlética Catarinense. Sobre seu solo está edificado o complexo esportivo Rozendo Vasconcellos Lima em homenagem àquele que é o símbolo inesquecivel do futebol de salão em Santa Catarina, pai complementar de uma plêiade de jovens que se formaram homens íntegros em suas comunidades. Aquele palco sediou extraordinários jogos de várias modalidades e foi cenário do desenvolvimento do Futebol de Salão, o futsal vitorioso de hoje.

Era comum no início de 1960, já encontrar o jornalista Maury Dal Grande Borges, um ilhéu de família tradicional, probo cidadão que faz do sorriso permanente sua marca de caráter, formado em postura simples e no relacionamento respeitoso de quem só faz o bem.

A FAC era sua prancheta de registros esportivos e o Maury foi para nós, atletas e dirigentes daquele tempo, a certeza de divulgação de nossas conquistas.

Agora, para comemorar o Jubileu de Ouro, os 50 anos de fundação da Federação Catarinense de Futebol de Salão, Maury Dal Grande Borges nos oferece Futsal em traje de gala, que reúne súmulas dos acontecimentos ao logo desses anos onde se perpetuam atletas, dirigentes e clubes que promoveram a magnífica evolução do salonismo catarinense.

A história do nosso futebol de salão inicia nas hostes da Policia Militar, com a participação de oficiais, soldados, convidados e duas equipes formadas nas Lojas Eletrotécnica, empresa dos irmãos Nelito e Nelinho Pereira. Com crescente repercussão, a modalidade foi organizada e incluída no portfólio da FAC, de forma que começaram as competições entre os clubes 12 (de Agosto), Paula Ramos, Caravana do Ar, Bocaiúva e Clube dos Oficiais da PM.

Dissidência entre a diretoria da FAC e dirigentes das equipes participantes conduziu ao processo de organização independente; e em 25 de agosto de 1957, foi fundada a Federação Catarinense de Futebol de Salão.

O novo tempo contempla o registo de Fernando Carvalho, ex –goleiro do Clube 12 de Agosto, como primeiro presidente da FCFS.

A modalidade passa a dividir com o basquete e o voleibol as preferencias de uso do Estádio Santa Catarina. Nele transpirava a qualidade técnica e o vigor físico e, da quadra, apresentavam-se estupendos atletas.

Do início com Júlio Basadona Dutra, os irmãos Miltinho e Bitinho, Ayrton e Ney Spalding, aos dias de Paulo Sabino e Heraldo do Valle, seguiu o futsal de Marco Luz, China, Márcio Pinto da Luz, Maurílio Borges, Luiz Henrique – o Ferri, o capitão Lauri de Lima, o marcador Biasotto, artilheiro Melin, o técnico Érico Haviaras, o velocista Alberto Costa, o talento virtuoso de Tamino, Acioli, a liderança Sérgio Abraham, a criatividade de Remaclo Fischer e Renato Sá, o internacional Chico Lins, o astro Franklin da Perdigão de Videira, os habilidosos lageanos Waldeck, Oneda e Raimundo Colombo, os joaçabense Pitol e Edinho, os joinvillenses do Guarany Perácio, Gastão e Tite, os blumenauenses Arno Burger e Mülão, o criciumense Sabiá, entre tantos especialistas do salão.

A história nos coloca nos dias de hoje e faz-se a obrigação citar Rogério, Renatinho e Edú, do Joinville, Márcio, Xande, Augusto, Dudu e Falcão da Associação Malwee, nomes que simbolizam a grandeza mundial do Futsal de Santa Catarina e do Brasil.

Reina unanime o atleta Falcão com a virtude de ser a estrela maior da Seleção Brasileira. Com ele, centenas de valores do mais absoluto refino na prática do futebol de salão nos orgulham. Reconhecidos, somos gratos pela representação qualitativa que nos faz também campeões mundiais. A partir deles inicia a contagem para o centenário da Federação.

Ao longo dos 50 anos da FCFS, muitos acontecimentos merecem destaque como a aquisição de sua sede própria, à rua dos Ilhéus, no 8º andar do Edifício Aplub, em Florianópolis, mérito de Waldemiro Carlsson, Hamilton Barreta, Sidney Damiani, Ênio Selva Gentil e Rozendo Lima.

Inúmeras foram as competições nacionais e internacionais. O futsal era a festa esportiva durante semanas. Então surgiu a visão empresarial, fazendo marketing e promovendo seus produtos como a S.E.R. Perdigão de Videira, sob a presidência campeã de Saul Brandalise Júnior; Cecrisa de Criciúma e Incocesa de Tubarão, sob o esmero do comando de Dite Freitas e, neste início de século, a extraordinária e campeoníssima Malwee de Jaraguá do Sul, do brilhante empresário Wander Weege.

A todos dos seus naipes cabe-nos erguer templos de respeito e admiração.

Com certeza, nosso Estado trilhou caminhos sólidos, pois se fez membro da diretoria da FIFUSA – Federação Internacional de Futebol de Salão e da Confederação Brasileiras de Desportos – CBD, como representante da modalidade na região Sul do país.

Santa Catarina participou de todos os movimentos e assinou a ata de fundação da Confederação Brasileira de Futebol de Salão em assembleia memorável no Rio de Janeiro.

Por oportuno e em respeito à história, nela deve ser mencionada a arbitragem de Santa Catarina. Nomes respeitados pela normalidade da condução das partidas são lembrados nas pessoas de Milton Lemos do Prado, Hamilton Barreta, Carlos Fulgraff, José Acácio dos Santos – Pepe, Flávio Zippel, Sérgio Fernandes, Nascimento e tantos outros dignos colaboradores da Federação, que no cronômetro e súmula, primaram pela regularidade, como Simão Carioni e Júlio Jovito de Souza.

Aprendemos que esporte é o instrumento para a formação do homem. Temos orgulho em fazer parte da história do futebol de salão, que está provendo a sociedade catarinense de homens de bons costumes, dignos de suas famílias e eméritos cidadãos.

Ao patrono do Futebol em traje de gala, jornalista Maury Dl Grande Borges, a gratidão perene dos salonistas de todo o estado de Santa Catarina, desde aqueles da bola passada aos de hoje, que são atores consagrados em todos os palcos grandiosos do mundo. (Prefácio do livro Futsal em traje de gala, publicado em 2007).

*Ex-atleta do Clube 12 de Agosto e da Seleção de Santa Catarina | Presidente da FCFS em 1974/76, 1976/78 e 1980 | Comendador do Esporte de Santa Catarina em 1998.

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *