Crack vira radiodocumentário em Trabalho de Conclusão de Curso

Publicado em: 17/06/2010

A droga que vicia quase que instantaneamente é tema de documentário em rádio na Faculdade Estácio de Sá de Santa Catarina.  “Crack: Perdas e Danos”  foi produzido por Eliezer Camargo Alves, como Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) em Jornalismo.  O documentário narra histórias de dependentes em recuperação e como é o processo de tratamento, bem como aborda as questões sociais que envolvem o tráfico e consumo da droga. Conta ainda a origem e como o crack é feito, além de alertar que é possível livrar-se do vício e reconstruir a família.

Para o TCC foram colhidos relatos de pessoas em abstinência e de especialistas da área médica para esclarecer os aspectos científicos da dependência química. A defesa será na próxima segunda-feira (21/06), às 19h30, na sede da Faculdade Estácio de Sá, em Barreiros, São José. O evento é aberto ao público.

Tanto entre usuários quanto entre os médicos, a opinião é unânime: o crack é a pior das drogas já criadas. Os danos causados pelo uso da pedra são irreparáveis, pois além de destruir a saúde e as relações sociais, estimula a violência e a criminalidade. As formas de tratamento são variadas, porém poucas têm sucesso. A pedra feita a partir da folha de coca, do arbusto Erythroxylum coca Lamarck, pode viciar o indivíduo logo no primeiro contato.

Fumado em cachimbos improvisados ou misturado ao cigarro de maconha, causa dependência grave e escraviza crianças, jovens e adultos. Também não escolhe classe social e ultrapassa todas as barreiras culturais ou econômicas. É comum pessoas bem sucedidas serem vistas comprando
ou consumindo a droga ao lado de moradores de rua.

O documentário descreve por meio de entrevistas, a triste realidade de dependentes que, em função do vício, perderam a dignidade, o caráter e a esperança. Passaram a viver longe do círculo familiar e sem as mínimas condições de conforto ou higiene. Faziam qualquer coisa para conseguir mais uma tragada. Quem escapou da prisão ou da morte tenta um recomeço longe da pedra cruel e avassaladora. Lutam para reconquistar o que perderam em um tratamento sem data para terminar.

Contato para imprensa:
Eliezer Camargo Alves: 3206-6647/9117-9327
Ricardo Medeiros (Orientador): 8411-0911

4 respostas
  1. Mário Motta says:

    Recebi o convite para integrar a Banca de apesentação do TCC do caríssimo Bacharelando Eliezer Camargo Alves. Infelizmente não pude aceitar uma vez que não estarei em Florianópolis/São José na data de sua apresentação. Mas já pude ouví-lo e registro meus parabéns pelo belo trabalho produzidopelo novo Jornalista e aproveito para agradecê-lo pelo apoio direto ao mote da Campanha Crack Nem Pensar iniciada pela RBS e que hoje “pertence” a toda sociedade catarinense e brasileira. Um carinhoso abraço ao Eliezer e ao seu Professor Orientador Ricardo Medeiros.

  2. Welington Férrer (radialista) says:

    fascinante o documentário. ainda nao conhecia como era o documentário em rádio, e estou fascinado, adorei o tema, a locução e a edição tudo perfeito. espero que seu projeto seja aprovado. parabéns!

  3. IDEL ROGERIO DE SOUZA says:

    ELI ,PARABENS PELO SEU DOCUMENTÁRIO ÓTIMO TEMA ESCOLHIDO POIS SÓ QUEM VIVE ESTE DRAMA SABE COMO É TER UM FAMILIAR ENVOLVIDO NISTO POIS TENHO UM ENTEADO FILHO DE MINHA EX ESPOSA QUE É UM MENINO MARAVILHOSO E SE ENVOLVEU COM ESTA PRAGA DO CRACK E É COPLICADO SAIR ELE ATÉ TENTA MAS É COMPLICADO MAS SEU DOCUMENTÉRIO COM CERTEZA VAI FAZER COM QUE PESSOAS JOVENS PENSEM 30 VEZES ANTES DE ENTRRA NELA ,PARABENS PELOM SEU TRABALHO .
    IDEL ROGERIO DE SOUZA
    DIRETOR
    JORNAL A VERDADE
    TIJUCAS SC

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *