Direção patética

Publicado em: 05/04/2011

Creio que a maioria deve lembrar um desenho da Disney no qual o Pateta era um pacato cidadão que, ao sentar-se ao volante de um automóvel, transformava-se num autêntico demônio: agressivo e explosivo, capaz de atitudes tão imprevisíveis quanto temerárias. É uma das melhores e mais realistas sínteses de comportamento humano contemporâneo que já vi, apesar do tom irônico da narrativa e das próprias características do personagem! É certo que somos um emaranhado de instintos e sentimentos, que tentam conviver com um mínimo de equilíbrio entre a emoção e a razão. Não fosse assim, talvez ainda estivéssemos na Idade da Pedra! Mas, o mecanismo do relacionamento ser humano x máquina ainda é um mistério que desafia os especialistas.

Na maioria dos casos, não é fácil identificar o motivo dessa agressividade. Talvez seja uma reação orgânica ligada a um sensível aumento de adrenalina no organismo; mas alguns espécimes, em vez de exercitar o autocontrole, testam, perigosamente, limites. Assim, a maneira como dirigem seus veículos poderia ser qualificada como intempestiva. Eles pensam que são bons motoristas, com suas ultrapassagens arriscadas, fechadas gratuitas, costuradas, proximidade excessiva e desafiadora, arranques ruidosos e freadas abruptas. No entanto, só não provocam mais acidentes graças aos que antecipam suas barbaridades.

Uma vez, viajei com um conhecido que tinha um Jaguar:

Ao ver que ele conduzia o veículo com velocidade bem acima da permitida para a rodovia, perguntei-lhe se ele não temia algum problema: multas, por exemplo? Para minha surpresa, ele respondeu que aquele carro era um sonho antigo, que não tinha preço!

O curioso é que esse tipo de conduta é característica de uma adolescência ou libido mal-resolvidas. Aliás, é nessa fase que os menos estruturados adquirem a maioria dos vícios e consolidam seu mau caráter. Para os homens, principalmente, a posse de um carro é quase um símbolo de virilidade! Em casos extremos, há os que medem sua “capacidade intelectual”, “coragem” e sexualidade pela quantidade de cavalos do motor. Antes, eram “juventude transviada”; hoje, são “velozes e furiosos”. Porém, lá no fundo, são pessoas inseguras, com sérios problemas de autoafirmação.

Grande parte da culpa cabe aos pais, que entregam “máquinas” possantes nas mãos de filhos que não sabem educar, transformando-os em assassinos em potencial: inconsequentes e sem nenhum respeito ao próximo; que acreditam, com sua condução “intrépida” e “rachas” irresponsáveis, serem novos “Ayrton Senna”, só que protegidos das consequências de seus atos por “gordas” contas bancárias, que financiam a impunidade e a corrupção. O original, pelo menos, corria no lugar certo e quando ultrapassou seu limite morreu só, sem causar a morte ou invalidez de ninguém. Pelo contrário, ainda deixou uma fundação que ajuda a salvar vidas!

Felizmente, para alguns, esse tempo passa ao chegar à fase adulta. Para outros, no entanto, perdura pela vida inteira, com sequelas irremediáveis para inocentes.

Agora, imaginem quando essa simbiose: ser humano e máquina – complexa e “química” por princípio – é “aditivada” com drogas e álcool, qualquer que seja a idade?

A soma dos cavalos do motor, do “quadrúpede” ao volante e dos combustíveis de alta octanagem abastecendo ambos é nitroglicerina pura!

Só que as estatísticas mostram que as vítimas dos que excedem na forma de dirigir – associada ou não ao consumo de álcool e drogas, sejam eles “mauricinhos” mal-educados, “brucutus” socialmente deslocados ou pacatos cidadãos temporariamente “possuídos” – sobrevivem, de forma dramática e traumática, aos acidentes por eles provocados.

Vidas ceifadas, vidas truncadas, imitações de vida e limitações de vida! Tudo por conta de um “estilo de vida”!

Nosso trânsito, que já era caótico e estressante, agora é, também, “patético”, com duplo sentido!

Não sou, em princípio, adepto de “terapias de choque”, mas creio que a obtenção e renovação das licenças de motoristas deveriam ser precedidas de uma seção de fotos, documentários e estatísticas sobre acidentes de trânsito e suas vítimas.

Talvez assim, antecipando os efeitos, refrearemos as causas.

Ouça textos do autor em: www.carosouvintes.org.br (Rádio Ativa)
Leia outros textos do autor e baixe gratuitamente os livros digitais: Sobre Almas e Pilhas e Dest’Arte em: www.algbr.hpg.com.br
Conheça as músicas do autor em: br.youtube.com/adilson59
E-mails: [email protected] e [email protected] (13) 97723538

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *