Doação de órgãos: ceticismo, correria e alívio

Publicado em: 29/10/2012

ACADEMIDIA | Radiojornalismo | Caio Peixoto e Fernanda Costa

Nem sempre o som do equipamento que sinaliza a resposta do organismo durante uma intervenção cirúrgica quer dizer que o paciente está vivo. Estima-se que em aproximadamente 60 casos em cada um milhão de mortes os órgãos continuam a funcionar, explica o Dr. Joel de Andrade, coordenador do SC Transplantes – Central de Captação, Notificação e Distribuição de Órgãos e Tecidos do Estado. Este trabalho foi desenvolvido para a disciplina de Radiojornalismo1do Curso de Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina. Produção e roteiro Caio Peixoto e Fernanda Costa. Técnica de Alcides Alves. Orientação do professor Ricardo Medeiros.

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *