Enquanto a “esquerda” leva o Brasil ao caos a “direita” sorri

Publicado em: 13/11/2013

Chegou a hora de largar o cinismo e admitir que o Brasil caminha na contramão na área da segurança. Quem discorda que jogue a primeira pedra: eu estava lá e digo que nem durante da ditadura existiu a atual sensação de medo que permeia a sociedade. Lá havia o medo do aparato repressivo do Estado (como agora em Cuba) em termos de liberdade de expressão e hoje, o que ocorre? Escolha qualquer pessoas (empresário, estudante, mulher…) e indague e ouça o que pensa da segurança (da segurança que não temos e que garante a harmonia do povo francês, do inglês, do canadense, do belga…).

Torramos dinheiro em estádios que serão elefantes brancos, em obras que nunca terminam, ajudamos pseudos empresários, perdoamos dividas de países como se nadássemos em grana, ajudamos ditaduras falidas enquanto nossa policia está sucateada em termos materiais e de pessoal. Entre 1990 e hoje mais de um milhão de brasileiros foram assassinados e convivemos com tal número como se falássemos de batata frita.

A área de segurança está um caos (a baderna nas ruas é a parte mais visível) por que não há uma politica de Estado séria, consequente, moderna sobre o setor. Nós continuamos confundindo democracia com bagunça e fico assustado quando me jogam na cara que “as esquerdas” não sabem operar estados democráticos (é, temos que ouvir isso!) dai essa crescente sensação de insegurança no País.

Notaram que nem falamos dos milhares que morrem em ruas e estradas?

Anotem: em 2012 foram registrados oficialmente 50.617 estupros no Brasil; isso gerou alguma perplexidade? Esse número não reflete a realidade, você e eu sabemos que o trauma é tão forte em algumas mulheres que elas não denunciam essa violência. Em 2012 registramos 14.400 roubos de cargas em nossas estradas e o que aconteceu?

Mais, o que fizemos com a ética? Como diria o Lula do alto de sua imbatível verve à Cantinflas que o manterá no poder eternamente, nunca antes neste país se corrompeu tanto, se roubou tanto, se assassinou tanto, se estuprou tanto, se mentiu tanto, se furtou tanto, se mistificou tanto, se assaltou tanto, se botou tanto dinheiro fora e se fez tanta baderna impunemente. Sim, este é o país da impunidade!

Eis aqui a chaga maior: impunidade é a marca do Estado brasileiro. Sem justiça não há pacto social que funcione, que aguente, que perdure.

Algo extraordinário (há influência alienígena?), aconteceu no Brasil: quando chega ao poder central a chamada “esquerda” (construída a ferro e fogo durante o arbítrio) que desejou ser paradigma do novo tempo copia (e aperfeiçoa) o que havia de pior e condenava na chamada “direita”. Por que teimamos em não enxergar isso?

Para o lado que se olhe só vemos problemas resultantes de muita teoria e pouca eficiência. Não se fez nada de novo após sepultarmos os grilhões. Quem, por exemplo, com um mínimo de sanidade, explica o conflito fabricado entre índio e não índio? Ionesco? Enquanto o Japão, com densidade de 337 habitantes por quilômetro quadrado é potência (só perde para EE.UU e China), o Brasil com 23 habitantes por quilometro quadrado não acomoda adequadamente seu povo.

Encerro levantando outro ponto: somente os lunáticos acreditam que com 32 partidos políticos barganhando segundos de TV a cada eleição vamos construir alguma coisa séria em termos de Nação! Menos ainda na área da segurança pública.

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *