Grupos de mídia buscam relevância no cenário convergente

Publicado em: 14/09/2013

“Tudo tem uma tela e tudo traz uma oportunidade de patrocínio.” A frase é do vice-presidente sênior de novas tecnologias da Fox Network, Clyde Smith, sobre a Internet das coisas.

Fernando Lauterjung, de Amsterdã

Clyde Smith acredita que todos esses novos dispositivos, que podem ser até geladeiras com telas e conectáveis, dão suporte à programação da TV, ao mesmo tempo que aumentam a possibilidade de acesso ao espectador.

Para o executivo, que falou em um painel no IBC, em Amsterdã, os canais de TV, para sobreviver às mudanças na mídia, devem aprender a lidar com os novos dispositivos e plataformas, bem como com o novo consumidor. “A segunda tela, para muitos, é a primeira. A tela grande fica ao fundo, ignorada, em diversas oportunidades”, disse Smith. E acrescenta: “O controle do usuário através de aplicativos e múltiplos dispositivos aprofunda o compromisso do espectador com o seu programa favorito”. Para ele, cabe aos grupos de mídia encontrar uma forma de se beneficiar deste compromisso.

Outra mudança importante apontada pelo executivo da Fox é em relação aos relacionamentos de negócios. Com as novas plataformas de distribuição de conteúdo, os grupos de mídia passam a ter mais parceiros em seus negócios. “Nós ainda não temos um relacionamento com os fabricantes de TV”, explica o executivo, citando as smart TVs como uma nova forma de chegar ao telespectador.

Para Mark Brandom, diretor comercial da Virgin Media, o relacionamento entre os programadores e as plataformas deve mudar significativamente. De acordo com Mark, deve haver maior colaboração entre esses dois elos da cadeia, permitindo, por exemplo, publicidade direcionada a targets. Programador e operador podem ainda desenvolver em conjunto novas formas de publicidade e conteúdo patrocinado.

Para Brandom, o futuro da mídia no cenário multiplataforma e muldispositivo depende da capacidade do setor de ultrapassar alguns desafios, como estruturar acordos comerciais entre diferentes elos da cadeia de valor e encontrar os parceiros corretos para fornecer a tecnologia de um ecossistema com dados mapeados e que permita trafegar entre plataformas de forma automatizada. [Tela Viva]

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *