HB 113: Tudo que o homem fez não vale nada

Publicado em: 22/12/2011

Ouvimos, no capítulo anterior, sobre Eduardo Teodoro Boesche. Ele viveu alguns anos no Brasil, como soldado do terceiro Batalhão de Granadeiros, composto por alemães, aquartelado na Praia Vermelha – Rio de Janeiro. Ao retornar à sua pátria publicou um livro de memórias no qual ridicularizava, de forma irritante, os brasileiros e as suas coisas. A frase histórica, e mais contundente, dizia o seguinte: “tudo o que a natureza fez no Brasil é bonito e admirável; tudo o que o homem fez não vale nada”. Dr. Blumenau, no livro que publicou, informando sobre as características do sul do Brasil, demonstrava, com muita sinceridade, a injustiça e a inverdade dessa e de outras afirmações dos detratores do nosso país.
Começava por preciosas informações sobre o estado das colônias alemãs de São Pedro de Alcântara e Vargem Grande, em Santa Catarina, e São Leopoldo e Três Forquilhas, no Rio Grande do Sul. Não escondia as dificuldades que os emigrantes encontrariam nos primeiros anos do seu estabelecimento e aconselhava a que emigrassem para o Brasil apenas os que estivessem dispostos a trabalhar com afinco e coragem, garantindo-lhes bem estar e prosperidade. Em entrevistas a jornais, nas viagens, nas visitas a amigos e parentes, desenvolvia, também, intensa propaganda. Bombardeava as informações contrárias e tendenciosas. Os resultados, porém, foram quase nulos, até porque nisso influía a situação política em que se encontrava a Alemanha de então. Mas ele não desistia.

A seguir: finalmente os dezessete primeiros colonos.

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *