HB 114: a epidemia de febre amarela grassara com violência

Publicado em: 28/12/2011

Dr. Blumenau conseguiu, em suas andanças pela Alemanha, encontrar dezesseis patrícios, que se dispuseram a acompanhá-lo ao Brasil. Não foi tarefa simples. Exigiu-lhe muitos esforços e muita canseira. Além deles contava com o sobrinho Reinoldo Gaertner, sobrinho que acabou por se transformar em valioso auxiliar nos primeiros tampos da colônia. Como não havia representante da colônia na Alemanha, acertou com o sobrinho para conduzir esses dezesseis emigrantes. Caberia a ele providenciar o embarque para Santa Catarina, funcionando como um Gerente de transporte ao longo da travessia marítima. Ficou com o mínimo de informações para solução aos eventuais problemas durante viagem. Isto feito, Dr. Blumenau deixou Hamburgo com destino ao Brasil.
Eis o seu relato da viagem de retorno, em carta a um amigo: “no mês de março de mil oitocentos e cinqüenta, parti de Hamburgo e depois de uma péssima viagem de oitenta e quatro dias, o nosso navio chegou ao Rio de Janeiro com um dos mastros quebrado. A epidemia de febre amarela, que grassára com violência, estava diminuindo de intensidade. Durante a viagem cuidei bem das plantas, sementes e bulhos que você me deu e de duzentas e cinqüenta roseiras que eu tinha comprado e das quais dois terços secaram, ou brotaram durante a viagem. Ao norte do Equador ficamos parados por quatro semanas por falta de vento. A água potável começou a minguar e era distribuída em rações calculadas, com cuidado.

A seguir: os problemas dessa viagem continuaram como veremos no próximo capítulo. Até lá!

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *