HB 142: O Brasil é um país para os colonos como não há outro

Publicado em: 15/08/2012

O colonizador informa ao destinatário dessa longa missiva, cujo nome não aparece no registro histórico das obras consultadas, que o governo brasileiro parece ter medo dos colonos alemães, embora os estime como bons trabalhadores. Garante, também, que se o governo o ajudar de alguma maneira, a continuar ele com força e saúde, há de mostrar em Santa Catarina que o alemão, por seu próprio esforço, pode conseguir alguma coisa que não seja ensinada pelos yankees. “Hei de mostrar”, diz ele, “que o Brasil é uma país para os colonos como não há outro”.  Aparece aqui, mais uma vez, a força da convicção que tanto contribuiu para levar a cabo o seu intento.

Estimava que em poucas semanas o seu caso seria resolvido e, se favorável às suas pretensões, haveria de escrever um livrinho dando conselhos e avisos aos emigrantes, combatendo com energia as intrigas e os conceitos desfavoráveis que muita gente fazia sobre o Brasil. “Defira o governo o meu requerimento e em pouco tempo mudarei o aspecto do Vale do Itajaí”, asseverou. Ele mesmo trataria da lavoura, para dar bom exemplo; haveria de instalar engenhos de serra que dariam vida à colônia e renda a muita gente; praticaria a horticultura e organizaria um pomar modelo. Dizia possuir, para isso, um terreno magnífico, com terra solta e fértil, numa ponta aguda formada por uma volta do rio, defronte à futura cidade. Provavelmente vem daí o nome tão conhecido de uma das regiões mais citadas de Blumenau: a Ponta Aguda.

A seguir: Dr. Blumenau abre o coração e mostra quão grandioso era.

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *