HB 162: encerramento

Publicado em: 28/03/2013

É claro que esta história não contempla tudo que se passou na vida do colonizador. Até porque a intenção é proporcionar aos ouvintes de rádio ou de livro-áudio que se pretende editar, o essencial da fundação de Blumenau e da vida do seu fundador. A premissa deste projeto foi, e é, facilitar o acesso das pessoas às informações de como nasceu este município. É preciso saber das lutas do seu idealizador e do destemor com que seus primeiros habitantes – os colonos vindos da Alemanha – enfrentaram toda a sorte de dificuldades, transpuseram obstáculos, venceram adversidades, para nos legar valores que ainda hoje são perceptíveis no comportamento de boa parte dos habitantes de Blumenau. Não é uma obra de elogio. É, muito mais, uma manifestação de reconhecimento e exaltação de valores que definem o espírito forte, a persistência, a lealdade e a sinceridade que constituíam o caráter do Dr. Blumenau e dos que o seguiram em tão difícil empreitada. É um tributo à memória daqueles a quem devemos o que somos.

Além das notas da imprensa, dando conhecimento do desejo de retornar do colonizador, há uma correspondência sua a Dom Pedro Segundo escrita pela despedida. Nela agradecia todas as distinções que o Imperador lhe concedera ao longo da instalação da colônia e manifestava a vontade de ter suas cinzas repousando, definitivamente, na terra a que tanto se dedicara. E a sua última vontade foi satisfeita. Noventa anos depois da partida, por obra do Lions e Rotary Club, em convênio com o governo municipal, foi construído o Mausoléu Dr. Blumenau, ao lado da Fundação Cultural de Blumenau, na rua Quinze de Novembro. Para ali foram transladados seus restos mortais e os de Dona Berta, a dois de setembro de mil, novecentos e setenta e quatro. Se aqui ele passou grande e boa parte da sua vida, aqui ele repousa para a eternidade, em respeito à sua última vontade.

Este projeto se encerra aqui, no capítulo cento e sessenta e um. A partir de quando se tornou município, Blumenau começa nova fase da sua história.

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *