HB 63: o pânico das águas

Publicado em: 18/09/2010

Quem conviveu ou acompanhou com atenção as enchentes de 1983 e 1984 deve lembrar-se que o ponto forte daquele momento foi a solidariedade. Fossem em manifestações regionais, estadual, nacional ou internacional, ela esteve presente em todos os momentos a partir do instante em que as águas conflagraram a vida de grande número de blumenauenses. Recém chegado a Blumenau com a família, em três de julho de 1983, tive o privilégio de estar integrado aos esforços de então, homiziado na prefeitura, por conta da amizade com o prefeito da época, Dr. Dalto dos Reis. Foram quinze dias, a partir de sete de julho, vivenciados em pânico, pelo efeito causado pelas águas. 

Pois bem! Esse espírito de solidariedade teve presença muito forte em 1880, a primeira grande enchente sofrida pelos colonizadores. Além do auxílio oficial, vieram donativos de toda parte do País e do estrangeiro como contribuição para os reparos necessários. Pessoas ou famílias prejudicadas foram razoavelmente indenizadas. E pouco a pouco a colônia foi voltando à mais absoluta normalidade. Comandava a comissão de recuperação dos danos o Engenheiro Joaquim Rodrigues Antunes, chegado a Blumenau em dois de novembro de mil oitocentos e oitenta.
 
Joaquim Rodrigues Antunes veio a casar-se, mais tarde, com uma filha de Guilherme Fridenreich. Sua missão frente aos trabalhos era coordenar a distribuição de socorro, orientar os serviços de reconstrução e tratar das providências indispensáveis à instalação do município. Esses trabalhos prolongaram-se até mil oitocentos e oitenta e dois e os custos para o governo chegaram à respeitável soma de trezentos e vinte e sete mil, setecentos e sessenta e dois réis. Os registros históricos não se referem à reação dos colonos diante da calamidade que foi aquela enchente. Mas é fácil imaginar, tendo ainda na memória as reações em mil novecentos e oitenta e três, mais de cem anos depois, quanto sofrimento ela causou.
 
No próximo capítulo: Dr. Blumenau é dispensado, depois de trinta e três anos a serviço do sonho de sua vida, da direção da colônia.

1 responder

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *