HB 70: Em busca da história de vida do fundador

Publicado em: 05/01/2011

Desde o capítulo anterior estamos buscando a história de vida do fundador da colônia Blumenau. Interrompemos a narrativa da colônia ao se instalar o município. Lembram ainda? Pois é! Foi a dez de janeiro de 1883. Daquele momento para cá o município teve  modificações, seguindo a rotina comum a todos os municípios, embora significativas do ponto de vista político-sócio-econômico. Mas retornaremos a eles tão logo tenhamos podido conhecer particularidades da vida do grande herói dessa epopéia: Dr. Hermann Bruno Otto Blumenau.
  
 Seu pai chamava-se Karl Friedrich Blumenau. O nome da mãe era Christiane Sophie Kegel, Era o sexto e último filho do casal, portanto, o caçula. Ele nasceu a 26 de dezembro de 1819, de acordo com registro no Ensaio Biográfico do Dr. Carlos Fouquet, publicado na obra Centenário de Blumenau. Teve uma infância tranqüila, vivida na pequena cidade de Hasselfelde, no Harz, a mais setentrional das serras alemãs. Aos quatrocentos e cinqüenta metros de altitude, era uma bela e severa região montanhosa pertencente ao ducado de Brunswick. Seu pai era engenheiro mor das florestas ducais, atividade que parece ter fascinado a Hermann quando criança.

 Dessa atividade parece ter herdado o gosto por muito daquilo que viria a realizar na condução da colônia. Aqui exercitava seus conhecimentos de farmácia, colocava em prática o que aprendera com o pai sobre florestas, conduzia-se como um cavalheiro, traço típico da sua formação em filosofia. Foi educado com severidade e exemplos de probidade, entre as irmãs Emile e Agnes e os irmãos Karl, Auguste e Julius. Sua conduta pessoal, seus feitos, assim como sofrimentos e alegrias vivenciados em igual dimensão, sem arroubos estapafúrdios, nem frustrações inúteis, só valorizou a herança da origem. No ano de 1829, aos dez anos, sua guarda foi confiada ao Pastor J.L.Götting pelo pai, a fim de se preparar para o ginásio.
 
No próximo capítulo: A influência do pastor na formação do menino Blumenau.

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *