HB 89: um grandioso plano de colonização

Publicado em: 18/05/2011

É conveniente retomar aqui o final do tratado do jovem Blumenau que encerrou o capítulo anterior. Até porque tudo faz crer que foi esse documento o responsável pelo seu credenciamento para as boas graças que carreou para o seu plano de colonização. Dizia ele: “Oferece-se aos imigrantes no Brasil uma perspectiva mesmo na hipótese de a Alemanha cruzar, como habitualmente, os braços, de vez que foi apresentado às Câmaras brasileiras um grandioso plano de colonização”. Para os conceitos diplomáticos da época, essa foi uma crítica contundente à omissão das autoridades alemãs quanto ao assunto.
“Todavia – continuou ele – convinha recomendar aqui a máxima prudência a todos que manifestarem o desejo de emigrar para lá. Também seria de desejar que o governo brasileiro confiasse a obra a mãos de homens que se devotem com todo o amor à empresa e nela não vejam apenas um meio de se locupletarem à custa do governo e dos colonos, permitindo outro tanto a alguns funcionários”. Vale a pena analisar este parágrafo. Percebe-se, aqui, uma indisfarçável autopromoção, de vez que era senhor das suas qualificações e tinha plena consciência dos seus méritos. Ademais, era o único autor a enfocar o assunto com tanta profundidade e explanações tão convincentes.

E ele insiste: “oxalá a nova obra, ao ser realizada, vá parar em mãos que entendam do assunto e saibam manter-se refratárias ao contágio com bens alheios. Quero concluir aqui, manifestando o cordial desejo que se reconheça logo, na Alemanha, o que é mister fazer, e que aqueles que dispõem de poder e de bens de fortuna despertem, finalmente, e se interessem, séria e vivamente, pelo assunto. Dentro de pouco tempo talvez seja tarde demais; talvez os alemães venham a espalhar-se por todo o mundo sem, contudo, fundarem em parte alguma, uma nova Pátria”. Ele foi taxativo. E esta deve ter sido a parte do documento que permitiu ao Dr. Carlos Fouquet, no seu Ensaio Biográfico do Centenário de Blumenau, atribuir dotes verdadeiramente divinatórios ao jovem Hermann.

A seguir: o jovem Blumenau mostrou o quanto estava senhor da situação.

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *