História de Blumenau – 28

Publicado em: 09/01/2010

No capítulo anterior chegamos ao ponto em que o Dr. Blumenau dizia: “continuando eles (os imigrantes) no mesmo andar de trabalho e na mesma boa harmonia como até agora, o que é de presumir da boa índole deles quase sem exceção, a colônia será dentro de poucos anos uma das mais bem cultivadas e risonhas regiões da Província”. De fato, melhorou muito no ano seguinte o número de colonos. Blumenau contava com a boa vontade da Sociedade Central de Emigração, em Berlim, ainda que essa entidade fosse francamente hostil à imigração para o Brasil.

Amigos e agentes do Dr. Blumenau na Alemanha não se cansavam de fazer propaganda do estabelecimento, com vistas à motivação do maior número de interessados em se transferir para o nosso País. Em 1846 aportaram na colônia mais cento e quarenta e seis imigrantes, número integrado por trinta e uma famílias e diversos solteiros. Quatorze crianças já haviam nascido na colônia a essa altura dos acontecimentos. Eram os primeiros e/ou primeiras quatorze blumenauenses nascidos do primeiro grupo de imigrantes. O fato era natural naquela época. Nos dias de hoje, porém, constitui acontecimento de destaque quando vasculhamos os caminhos percorridos para chegar até aqui.

A colônia avançava pelas margens do ribeirão Garcia e do ribeirão da Velha. A selva já tinha bastante alterada sua fisionomia desde quando a região foi escolhida para abrigar o empreendimento. Em 1854 o Dr. Blumenau estabeleceu novo contato com o Governo Imperial.  Obteve, então, o adiantamento de vinte e cinco contos de réis por conta de um prêmio estabelecido pelo Império. Tal prêmio seria conquistado assim que a colônia contasse a vinda de quatro mil imigrantes europeus dentro do prazo de dez anos.

Fazia parte do prêmio, ainda, a abertura de estradas com trajetos pré-definidos. A primeira deveria ir até Itajaí e a segunda até Curitibanos, uma estrada para cargueiros, que ligava o Rio Grande do Sul a Curitiba e a São Paulo.

No próximo capítulo: e a parte do governo nessa empreitada… onde estava?

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *