Imerso na TV

Publicado em: 26/02/2013

Rádio CBN Brasil | MUNDO DIGITAL, com Ethevaldo Siqueira
Milton – Ethevaldo, você já falou aqui sobre a TV de imersão, que começa a chegar ainda este ano. Você pode explicar melhor o que é isso?
Ethevaldo – TV de imersão é aquela que dá ao espectador a sensação de estar dentro da cena ou da imagem. Para obter esse resultado, os pesquisadores estão criando telas cada vez maiores, acima de 5 metros de diagonal, com ângulo de visão muito maior, maior nitidez e maior realismo. Com tudo isso, o espectador tem uma nova experiência, a de imerso na cena, no programa ou no filme. Uma das alternativas é a tela côncava, como se o espectador estivesse perto do ponto focal de uma tela cilíndrica, tendo um ângulo de visão superior a 140 graus. Com isso, veria todos os pontos da tela à mesma distância, sem distorção.

Milton – Você acha que a TV de imersão vai pegar?
Ethevaldo – A longo prazo, não tenho dúvida, Milton. A TV de imersão será um dos formatos vitoriosos da TV do futuro. Vários laboratórios e institutos de pesquisa do mundo estudam e trabalham não apenas com a TV de imersão, mas também com os padrões de super high definition e com a TV 3D sem óculos.

Milton – Que institutos e laboratórios são esses?
Ethevaldo – Há várias deles. No Japão, é um instituto liderado pela NHK, a TV estatal, em associação com diversas empresas privadas. Na Alemanha, o Instituto Fraunhofer, que é financiado por mais de 50 indústrias, já trabalha há alguns anos com esse objetivo. Além disso, a Europa criou recentemente o Projeto de Mídia 3D 2020 (em inglês 2020 3D Media Project), que reúne 13 instituições de apoio, entre universidades e empresas privadas, e tem como objetivo coordenar um programa de quatro anos de pesquisas e desenvolvimento tecnológico para criar as bases da TV 3D de 2020.

Milton – Mas a TV de imersão não se destina ao uso doméstico da maioria da população?
Ethevaldo – Não, Milton. Inicialmente, a TV de imersão será adotada nos melhores home theaters, bem como em projetos educacionais, em centros de treinamento e estúdios de computação gráfica. Seus usuários principais serão profissionais de comunicação, designers, empresas de eventos, estúdios de publicidade e propaganda. Mas, a longo prazo, com a evolução tecnológica e a queda de preços, crescerá muito seu uso doméstico e em entretenimento. Desse modo, entre 2018 e 2022, a TV de imersão deverá estar ao alcance da maioria das famílias de classe média.

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *