Jaqueline Aranha consegue sua sétima vitória e Adilson Coelho seu quinto título

Publicado em: 09/02/2005

Jaqueline Aranha e Adílson Coelho, da Embaixada Copa Lord, foram os grandes vencedores do Concurso Cidadã e Cidadão Samba. A escolha foi feita por uma equipe de jornalistas no domingo de carnaval (6/02), quando dos desfiles das Escolas de Samba de Florianópolis na passarela Nego Quirido.
Por Ricardo Medeiros, da Passarela Nego Quirido

Cada agremiação tinha o seu casal representante, que desfilava à frente da bateria devidamente identificado por uma faixa. Jaqueline Aranha bate o recorde de permanência como Cidadã Samba, conseguindo consecutivamente sete vezes este título. Ela ultrapassou a Nega Tide, que é hexacampeã nesta categoria. Adílson Coelho também obtém uma façanha, alcançando pela quinta vez o título de Cidadão Samba.

Para serem apontados como vencedores, Jaqueline e Adílson tiveram que se aplicar nos itens beleza, simpatia, extroversão, espírito carnavalesco e apresentar muito samba no pé. Para cada item, os jurados, coordenados pelos jornalistas Dieve Oehme e Ricardo Medeiros, da Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Florianópolis, deram notas não fracionadas aos concorrentes de 5 a 10.

Jaqueline Aranha obteve dos jurados 595 pontos e Adílson Coelho 571 pontos. O casal segundo colocado no concurso pertence a Consulado do Samba: Dayana de Souza Mello conseguiu 550 pontos, e Edemar da Costa Pereira, o Ninho do Pandeiro, atingiu 557 pontos.

Perfil de Jaqueline Aranha

A florianopolitana Jaqueline Aranha nasceu no dia 30 de maio de 1982. Aos 22 anos de idade ela tem 1.75m de altura e pesa 63 quilos. No ano de 1997 ela foi Primeira Princesa do Carnaval da cidade e no ano seguinte ganhou o título máximo como Rainha de Florianópolis. A sua primeira vitória como Cidadã Samba aconteceu em 1999, enfileirando de lá pra cá sete títulos seguidos como a melhor sambista do carnaval. A heptacampeã, que curte dançar na noite da grande Florianópolis, é estudante do segundo grau e atua como modelo.

Perfil de Adilson Coelho

O ciclo de vitórias do pentacampeão Adilson Coelho começou em 2000. Em 2002 ele novamente foi aclamado como Cidadão Samba de Florianópolis, fato que se repetiu nos outros anos.

Ele é nascido em São José no dia 13 de janeiro de 1969. Com 1.66m de altura e 62 quilos. É formado em Publicidade e Propaganda e em Educação Física, pela Unisul. Aos 36 anos, ele diz que o seu lazer é o trabalho, apesar de gerenciar durante mais de 12 horas por dia a Academia de Esportes Ângelo Zandonai, na Praia Comprida.

Pai de um menino de 12 anos e de uma menina de 7 anos, ele começou no carnaval em 1995, quando o grupo de dança Shapanã, composto por dançarinos do SESC, coreografou a Comissão de Frente da Copa Lord. Ainda em 1995 esteve com uma comitiva de Florianópolis na cidade francesa de Saint Etienne para algumas apresentações de samba.

HISTÓRIA

O primeiro Concurso para Cidadã Samba aconteceu em 1963, criado pela Agência de Publicidade A.S Propague, quando da fundação da empresa. A idéia, segundo o mentor da competição, Antunes Severo, era proporcionar um espaço para que as sambistas pudessem expor toda a sua habilidade, ao mesmo tempo em que engrandecia a Festa de Momo na Capital. Hoje, 42 anos depois, a iniciativa, realizada em parceria com a Prefeitura de Florianópolis já entrou para o calendário oficial de eventos do carnaval da cidade.

Desde que foi criado, o concurso vem revelando o talento e a beleza de mulheres que ajudaram a divulgar o verdadeiro espírito do sambista e do carnaval. Dessa galeria de passistas constam nomes que fizeram história nas escolas de samba de Florianópolis como Nega Tide, seis vezes campeã, e Maristela Figueiredo, quatro vezes escolhida para o título. Agora, o destaque é Jaqueline Aranha com sete vitórias na avenida.

Entre os homens, a competição foi criada em 1987, por sugestão do jornalista Aldírio Simões, também com o objetivo de revelar entre os passistas do sexo masculino a habilidade do samba no pé e o espírito carnavalesco, mas o concurso Cidadão Samba aconteceu apenas em algumas ocasiões.

Em 1987, o vencedor foi Jorge Luiz Arcênio, um catarinense que aprendeu a maestria do samba no Morro da Mangueira, no Rio de Janeiro. No ano seguinte, o Sargento da Polícia Militar, Valter Costa, o Valtinho, assumiu a faixa. Florianopolitano, tocou em vários grupos musicais da cidade, entre eles a Banda Alakêto. Já em 1992, aos 32 anos, Marco Aurélio Virgínia, exímio sambista e também mestre-sala foi eleito Cidadão Samba, título que repetiu em 1999. Em 2000, Xexéu foi novamente eleito como melhor passista, mas, por problemas particulares, não cumpriu a agenda determinada pela Comissão do Carnaval, implicando em sua substituição e na perda do título. Em seu lugar assumiu o segundo colocado Adilson Coelho, que passou a faixa de Cidadão Samba, em 2001, a Kleber Orlando Ramos, marcando o décimo quinto ano do concurso.

A partir de 2000, o destaque do concurso coube a Adilson Coelho tornando-se o Cidadão Samba com maior número de títulos nos 18 anos desse evento no carnaval de Florianópolis.

1 responder
  1. Sirley Lopes says:

    Eu acho que a canditada que já concorreu e ganhou o título, obrigatóriamente não poderia concorrer seguidamente, depois de passar a faixa sim…mas em seguida acho covardia. O fato de já ter concorrido e ganhado o títula a deixa em vantagem diante das demais concorrentes. A Jaque é massa, mas se tratando do concurso específico, “Cidadã Samba, na minha opinião, teria que ter este critério.

    Att,
    Sirley Lopes

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *