Jornalismo de vanguarda (Parte 6)

Publicado em: 15/08/2006

A transformação do radiojornalismo em Florianópolis ocorreu num período dez anos a partir da vinda (em 1956) dos irmãos Zigelli para a Capital catarinense. Embora não seja um fato isolado essa constatação até agora não foi contestada. Mesmo porque, a evidência dos fatos não invalida nem desmerece os esforços feitos por outros profissionais contemporâneos. A propósito, o nosso tema de hoje, como anunciado na matéria da semana passada, é a criação e implantação do primeiro Manual de Redação no radiojornalismo local.
Por Antunes Severo

Para este relato, mesmo tendo convivido pessoal e profissional com Adolfo Zigelli, considero mais relevante usar aqui as referencias de fonte mais isenta do que eu próprio.  Refiro-me ao depoimento de Moacir Pereira que também integrou a equipe de radiojornalismo da Rádio Diário da Manhã e organizou o livro Adolfo Zigelli – jornalismo de vanguarda. A citação que se segue é transcrição direta do livro.
Ao assumir a Divisão de Rádio-Jornalismo, elabora um documento simples, com 11 páginas, intitulado “Regras de Redação”, embrião dos “Manuais de Redação” que nos anos noventa iriam se transformar em best-sellers de largo consumo popular pelo país.
A importância deste documento está no conteúdo, na transformação que ele reflete ter acontecido na concepção do autor e na verdadeira escola que se formou com a sua elaboração na principal emissora de rádio do Estado.
Importante sublinhar que o texto precede o ingresso de Adolfo Zigelli na Faculdade de Direito. Surge como um marco entre o radialista liberal que veio de Joaçaba fazer sucesso em Florianópolis com um programa radiofônico partidário e uma nova concepção da profissão, em que o sectarismo da legenda política cede lugar a um jornalismo exercido com espírito público e consciência crítica, distanciado das paixões partidárias, mais independente.
O salto de qualidade é um fenômeno extraordinário a registrar. Foi produzido por um autodidata que, ao romper com a provinciana atuação da parcialidade, estabeleceu para si um novo código de conduta e fixou paradigmas para dezenas de companheiros que com ele conviveram.
Qualquer pesquisa que se faça nos arquivos da RDM indicará a presença constante de uma fórmula na elaboração das notícias para os jornais. O cabeçalho da folha em branco indicando o nome do noticiário, o horário da apresentação, as iniciais do redator, dia, mês, ano. E sempre com dois traços por baixo. E dava um exemplo: “RENNER 13/JBR/11-5-64”. Até aqui Moacir Pereira.
Abaixo, exemplo de notícia incluída na edição das 13h00 do Correspondente RENNER, redigida por Lauro Soncini com base no que acabara de ser veiculado na edição das 12h55 do Repórter Esso da Rádio Nacional do Rio de Janeiro.
RENNER 13/LS/11-5-64 (Identificação da página em que a notícia foi escrita)
BRASILIA – (LS) –   Acaba de ser criado o Ministério do Planejamento e Coordenação. O decreto assinado pelo presidente da República estabelece que incumbe ao Ministro do Planejamento e Coordenação Econômica: dirigir e coordenar o plano nacional de desenvolvimento econômico em cooperação com os ministérios e demais órgãos da administração direta ou descentralizada do Governo da União, dentre outras funções. Para o exercício das atribuições que lhe são conferidas por este decreto, fica o Ministro de Estado Extraordinário para o Planejamento e Coordenação Econômica autorizado a requisitar servidores dos órgãos da administração direta, autarquias e sociedades de economia mista, sem prejuízo dos vencimentos, direitos e vantagens a que façam jus, obedecido o disposto na legislação em vigor. Pode também o ministro recrutar pessoal especializado, administrativo e auxiliar, nos limites dos recursos financeiros postos à sua disposição, não adquirindo o pessoal assim recrutado a natureza de servidor público. Finalmente, cabe ao Ministro do Planejamento e Coordenação atribuir a pessoas, empresas e organizações idôneas a prestação de serviços técnicos específicos, bem como constituir grupos de trabalho, por prazo limitado, para a execução de trabalhos específicos de natureza técnica.
Nota do autor: Essa notícia foi transmitida na edição das 12h55 do Repórter Esso, da Rádio Nacional do Rio de Janeiro, gravada e datilografada por Lauro Soncini (LS) e lida por Adolfo Zigelli como última notícia da edição das 13h00 do Correspondente RENNER, da Rádio Dário da Manhã de Florianópolis.
Fontes relacionadas:
Moacir Pereira. Adolfo Zigelli – jornalista de vanguarda. Florianópolis: Insular. 2000.
http://www6.senado.gov.br/legislacao/ListaPublicacoes.action?id=185827


{moscomment}

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *