Jornalista Belmiro Sauthier morre aos 81 anos, em Florianópolis

Publicado em: 22/06/2020

O jornalista Belmiro Celso Sauthier, de 81 anos, morreu neste domingo (21) em Florianópolis. Ele trabalhou cerca de dez anos no Diário Catarinense entre as décadas de 1980 e 1990, ocupando o cargo de subeditor-chefe do jornal. Belmiro estava com a esposa e o filho em casa, na Capital, quando teve uma parada cardiorrespiratória.

Belmiro Sauthier tinha 81 anos e morava em Florianópolis(Foto: Prefeitura de São José, Divulgação)

Natural de Montenegro (RS), Belmiro se formou em Direito pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Porto Alegre (RS), mas escolheu a carreira de jornalista na década de 1960. Ele trabalhou em veículos como Rádio Gaúcha e Zero Hora, no Rio Grande do Sul, além do Jornal da Tarde, em São Paulo.

Pelo jornal paulista, Belmiro participou da cobertura de três Copas do Mundo (1970, 74 e 78), tendo acompanhado o tricampeonato do Brasil, que completa cinco décadas neste domingo (21).

O jornalista chegou à redação do Diário Catarinense após a saída do Jornal da Tarde e permaneceu por quase dez anos. Em 2000, fundou o jornal Correio de Santa Catarina, em São José, no qual trabalhou até outubro de 2019.

Homenagens e lembranças de amigos
Um dos profissionais que atuaram ao lado de Belmiro foi Celso Vicenzi, ex-repórter e editor do Diário Catarinense. Ele recorda com carinho do colega de redação e ressalta que sempre fui muito preocupado com a qualidade do jornalismo.

– O que posso dizer do Belmiro é que sempre foi um colega leal. Não era de muitas palavras, sempre reservado, mas era uma conversa agradável. Tinha um olhar crítico e aguçado para as boas pautas e reportagens, sempre valorizando os textos bem escritos e as edições competentes do trabalho de equipe – relembra.

Outro colega de trabalho foi o fotógrafo Antonio Carlos Mafalda. Os dois se conheceram há cerca de 40 anos e trabalharam juntos em Porto Alegre, São Paulo e Florianópolis. Chegaram a viajar juntos para duas Copas do Mundo.

– Ele era um grande companheiro e amigo. Foi um grande repórter e editor. A passagem dele como editor do Diário Catarinense foi muito importante para o jornalismo catarinense, ajudando a implementar um novo jornalismo, mais atuante e revelador – recorda.

A jornalista e esposa de Mafalda, Imara Stallbaum, também destacou que Belmiro foi quem convidou o casal para trabalhar no Diário Catarinense. Ela trabalhou diretamente ligada a ele como repórter e editora.

– Ele era um cara fantástico. Conseguimos com ele fazer um grande jornal.

Nas redes sociais, Belmiro recebeu homenagens de muitos amigos, colegas de trabalho e figuras públicas, como o prefeito Gean Loureiro, de Florianópolis. “Por seu trabalho em prol da nossa Grande Florianópolis, minha homenagem”, registrou no Twitter.

(NSC, 22/06/2020)

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *