Mario Quintana, o anjo Malaquias e Flávio Alcaraz Gomes

Publicado em: 09/04/2011

Por uma dessas circunstâncias inexplicáveis a matéria desta semana reúne as vozes de Flávio Alcaraz Gomes e de Mário Quintana. Flávio relembra a morte de Quintana.  Mário declama o poema Anjo Malaquias que virou espetáculo teatral contando em documentário poético sua vida e obra e que diz: “O Ogre rilhava os dentes e lambia os beiços grossos, com esse exagerado ar de ferocidade que os monstros gostam de aparentar, por esporte. Diante dele, sobre a mesa posta, o Inocentinho balava, imbele. Chamava-se Malaquias – tão pequenino e rechonchudo, pelado, a barriguinha pra baixo, na tocante posição de certos retratos da primeira infância…” (Podcast acervo Ivan Dorneles Rodrigues)

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *