Memórias quilombolas no CurtaDoc

Publicado em: 06/04/2012

Mahomed Bamba

Rastros do Quilombo, episódio do CurtaDoc que estreia no SescTV na próxima terça-feira, 10 de abril, às 21h, faz um resgate da cultura quilombola, através das memórias de descendentes de escravos. Em cartaz, os documentários Charqueada, Vida salgada no tempo (2003), de Waltuir Alves, Vissungo – Fragmentos da tradição oral (2009), de Cássio Gusson e Morre Congo, fica Congo (2001), de Délcio Teobaldo. Mahomed Bamba, professor de cinema da Universidade Federal da Bahia, é o convidado especial que fala sobre o tema e comenta os curtas. Para ele “os quilombolas são o registro dessa memória que alguns acham estar perdida”. O programa é uma realização da produtora Contraponto e conta com reapresentações na quarta-feira, à 1h e às 15h; quinta às 9h; sábado às 22h; e domingo às 19h.

As memórias e cantorias de fé de um homem com mais de 100 anos, filho de escravos, estão registradas em Charqueada, Vida salgada no tempo, de Waltuir Alves. O documentário mostra um pouco da vida do “Seu Charqueada” e sua

devoção à Nossa Senhora da Abadia, o que faz com que todos os anos ele percorra mais de cem quilômetros de bicicleta, para cumprir um voto feito pela sua mãe quando ainda era criança.

 

Vissungo – Fragmentos da tradição oral, de Cássio Gusson, busca resgatar uma cultura quase extinta, ao trazer a história dos vissungos, cantos ritualísticos que mesclam palavras do português com o idioma africano, executados pelos escravos no século 17. O curta foi realizado na região de Diamantina (MG), local em que um homem, descendente de escravos,

ainda sabe parcialmente os cantos e aborda o fim dessa tradição. Como o canto vissungo necessita de uma comunicação entre duas ou mais pessoas, um homem sozinho não consegue exercer a continuidade.

Uma tradição é revelada em Morre Congo, fica Congo, de Délcio Teobaldo. O curta registra o Jongo Rural, manifestação oral-rítmica dos remanescentes de quilombos, com pontos falados, cantados e acompanhados de palmas e tambor. A prática é exposta através de depoimentos dos seus cinco últimos mestres: Carmo Moraes, na época, com 82 anos de idade; Dona Luisa, 67; Zady Rita, 62; Rosalvo Bernardo, 57 e Zé Adriano, 78.

No Curtas Palavras, quadro exibido no último bloco do programa, o tema é Formação. Falam sobre o assunto, o documentarista Evaldo Mocarzel , os cineastas Christian Saghaard e Jean-Claude Bernadet e o cineclubista Diogo Gomes dos Santos.

O SESCTV apresenta a segunda temporada do CurtaDoc, com 52 programas inéditos e exibição de 170 documentários brasileiros. A série abre espaço para realizadores de todo o Brasil e provoca a reflexão sobre o fazer documentário. O canal SESCTV está disponível para todo o Brasil pela TV por assinatura, pelo sistema DTH: Sky (canal3), Oi TV (canal 28), GVT (canal 228) e CTBC (em diferentes números de canais) e em mais 77 operações de TV a cabo em todo o território nacional.

Direção: Kátia Klock, (48) 3334.9805 / 9989.4202 | [email protected] | Imprensa: Sarah Goulart, 48 8855.0693 | [email protected]

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *