Morre Mário Huttl, cala-se mais um pioneiro

Huttl, cidadão honorário de Joinville

Com a morte do radialista Mário Huttl, o rádio joinvilense perde mais uma referência do rádio romântico – onde se trabalhava mais por prazer do que para ganhar dinheiro, como acontecia com os jogadores de futebol da época.  Da geração dos anos de 1950 para cá não me recordo de algum profissional que tenha enriquecido a não ser aqueles que ingressaram na política. Mário Huttl, ou compadre Mário, como gostava e ser chamado, era uma dessas pessoas simples e, foi, através dessa simplicidade que alcançou o gosto popular com seu linguajar coloquial, meio caboclo e engraçado.

Teve como professor o seu melhor amigo, o Manduca, que já está no andar de cima fora do combinado como diria o radialista, compositor e apresentador de TV, Rolando Boldrin. Ambos faleceram no Hospital Bethesda, de Pirabeiraba.

O “compadre Mário” encerra um ciclo daqueles que entraram na Rádio Difusora e lá trabalharam por mais de cinqüenta anos. Antes dele foi o discotecário Romeu Gonçalves, que curiosamente em sua carteira de trabalho – CTPS – tinha só um registro, o da Rádio Difusora e uma só função – discotecário.

Mário ganhou fama na década de 50 com o seu programa “Musical Porcelana”. Foi o primeiro programa radiofônico popular de Joinville voltado para o público germânico. Tinha o domínio do idioma, pois aprendeu com seus pais e isso facilitou bastante.  O interessante é que o programa era dirigido pelo próprio patrocinador o Sr. Eugênio Wenger – proprietário da Casa Porcelana – uma tradicional casa de comércio de funcionou durante décadas na Rua Nove de Março.

Toda a sua carreira profissional está no livro lançado recentemente pela professora de jornalismo, Izani Mustafá, de título Alô! Alô Joinville! Está no ar a Rádio Difusora de Joinville, na página 112. É só adquirir, pois já está nas livrarias da cidade. Deixa os filhos, Marcelo Juliana e Andréia. Seu último programa de rádio foi o de título “Casa de Palha” que chegou a se chamar de “Show dos Bairros”.

Em oito de novembro de 2006 obteve o reconhecimento outorgado pela Câmara de Vereadores de Joinville, ao receber o título de Cidadão Benemérito, proposto pelo vereador José Cardozo. Naquele dia, ele não fez discurso, apensas mostrou seu jeito de ser , agradeceu , contou piadas e fez todos os presentes sorrirem pra valer.

Concluía seus programas dizendo: “Sorria, Deus gosta de você!”.
Lá no céu, Charles Weber, deve estar dizendo: “Pois, agora!”

4 respostas
  1. MARCELO HUTTL says:

    COM A SAÍDA DA RADIO DIFUSORA NO FINAL DO ANO PASSADO (2009) MEU PAI ENTRA EM DEPRESSÃO SENTINDO FALTA DOS ALÔS QUE TRANSMITIA COM MUITO CARINHO AO SEUS OUVINTES. COM 59 ANOS DE RADIO E O SONHO DE COMPLETAR 60 ANOS INTERROMPIDA PELA ATUAL DIREÇÃO DA RADIO DIFUSORA, DEIXA MARIO HUTTL MUITO CHATEADO.COM MUITO CARINHO A TODAS AS PESSOAS PELAS MENSAGENS DE CARINHO UM GRANDE ABRAÇO DA FAMILIA HUTTL. SORRIA, DEUS GOSTA DE VOCÊ!

  2. José Eli francisco says:

    Vou explicar em rápidas palavras o “pois , agora” do Charles QWeber com a qual eu encerro meu comentário publicado também no Jornal A Notíc9a , do dia 18 último .Está também no blog do sindicato http://www.radialistasc.zip.net/ .
    Charles , Mário , Romeu e Manduca pertenceram a mesma geraçaão : a era do rádio romândio e, feliz daquele que viveu aqueles belos tempos .
    O Charles encerrava seus conentários que fazia para o rádio , TV e Jornal , dizendo ” Pois,Agora !” que chegou a ser título de seus conmentários no jornal . Ainda é uma expressão usual bem joinvilense .
    Quanto as colocações do filho Marcelo , não houve radialista em Joinville que não comentasse o fato de não terem deixado o veterano profissional completar 60 anos de comunicação.É lamentável…………..

  3. José Eli francisco says:

    Mano . Eu já tinha lido .
    Gostei muito também da entrevista que fizestes com a Izani .
    Eli Francisco .

  4. armor says:

    Engraçado…. Daí é “compadre” né…
    Porque que não era chamado da maldita e rascista expressão de “alemão” como esses cablocos branquicelos, cablocos e pretos só vivem chamando à homens loiros e ruivos.
    A não ser que seja um grande empresário como o Sr. Udo, Sr. Ingo entre outros.
    Isto é: não chamam pela frente, pois pelas costas….
    Os verdadeiros rascistas são e sempre foram estes: os de cabelo preto ou escuro, seja branco, pardo ou preto…
    E uma hora isso vai acabar viu…

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *