Muitas leis e pouca punição

Publicado em: 31/08/2013

A conivência com  impunidade é uma das piores sequelas que marcam uma Nação com muitas leis e pouco cumprimento delas.

selo-sintonia-finaDesde que inventaram o radio, o radialista é um  profissional sujeito a violência. Virou uma profissão de risco depois que o radio deixou de ser apenas entretenimento e passou a produzir jornalismo investigativo na defesa dos interesses do povo. Vários profissionais, principalmente da região nordeste perderam a vida, vitimas de bandidos desmascarados em reportagens. Radialista e jornalista estão no topo da lista dos profissionais sujeitos a violência. Já não causa surpresa notícia sobre atentados contra radialistas que desagradam políticos, bandidos e outros assemelhados, com suas reportagens, comentários e críticas na programação radiofônica.

Mas, o que vem causando surpresa é um fato novo surgido em São Paulo, envolvendo uma profissão, muito nobre e que ao longo dos anos se constitui na base da educação, do conhecimento e da preparação do cidadão para enfrentar a vida: o professor.

Um vereador paulistano apresentou um projeto de lei dando uma nova característica a profissão de professor: atividade de risco. Pelo projeto os professores que atuam em regiões mais violentas terão direito a um abono, por que ao exercer sua profissão estão sujeitos a agressões por parte daqueles a quem ensinam.

Os médicos que trabalham  em regiões consideradas violentas do norte e nordeste tem o mesmo problema. Juízes que julgam bandidos e os condenam por seus crimes, também. A lista das “profissões de risco” fica cada vez maior.

De nada adianta dar abono salarial pelo risco; o que os profissionais precisam é de ações de governo que garantam a segurança de todos. Professores agredidos por alunos, radialistas assassinados por bandidos e outros a mando de políticos denunciados, magistrados que condenam por crimes cometidos, médicos que não conseguem salvar vidas por falta de recursos, todos fazem parte dessa lista vergonhosa de profissionais que correm risco de vida em vários pontos deste pais com muitas leis e pouca punição.

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *