Namorador

Publicado em: 24/11/2004

Era uma tarde fria. O vento sul castigava o cinzento dia da ilha, tornando-o enfadonho. Mas havia futebol, lá no legendário e surrado estádio Dr. Adolfo Konder, exatamente o clássico entre Avai e Figueirense. 
Por Fernando Linhares da Silva

Muito embora se tratasse de um clássico, reunindo os clubes com as maiores torcidas, a verdade é que não mais despertava interesse, pois os dois times já não mais aspiravam alguma coisa em termos de título máximo. Mas a imprensa precisava anunciar, fazer o comentário da partida, efetuar a cobertura completa. Na época Rádio Guarujá tinha um alto-falante em cima de uma árvore, bem na entrada do jardim, pertinho da rua Felipe Schmidt. Um hoje aposentado homem, ligado ao futebol, bem veterano, estava escalado para acompanhar a partida e, à noite,fazer o comentário dentro do famoso programa da época, intitulado “Momento Esportivo Brahma”, levado ao ar às 19h30min. Mas, pensando melhor, bem melhor seria ir para a casa da namorada… Não pensou duas vezes, muito embora preocupado com a missão que lhe fora confiada. Lá por volta das 17h30min, ao término do jogo, passou a procurar alguém que pudesse lhe oferecer os dados que serviriam para montar o comentário. O cronista encontrou, em plena avenida Mauro Ramos, o José Amorim, então um lutador atacante do Avai e fez, de supetão, a clássica pergunta:
– Então, Amorim, como é que foi o jogo?
– Foi um jogão de bola, o melhor é que ganhamos de três a zero.
– É mesmo, cara? Quem marcou os gols?
– Eu fiz dois e o Saulzinho o terceiro.

Não teve dúvidas! O nosso personagem, rumou rapidamente para o estúdio, a fim de escrever o comentário. À noite, com muita gente próxima à corneta (alto-falante) da praça, destacou-se alto e bom som o vozeirão do locutor:
– “Sensacional vitória do Avai na tarde de hoje, numa partida empolgante, repleta de lances emocionantes. No triunfo azurra, Amorim marcou dois tentos e Saulzinho, de cabeça, completou a goleada”.

Nem bem acabou de falar, tocou o telefone do estúdio e um torcedor raivoso gritou do outro lado:

– Como é que tu tens coragem de dizer que o Avai ganhou de três a zero, se foi o meu Figueirense que venceu por esta contagem?

Amorim, chateado com a derrota e vendo que o comentarista não havia ido ao jogo, pregou-lhe uma peça que nunca mais foi esquecida.

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *