Não chega de saudade

Publicado em: 07/10/2007

Riobaldo, em Grande sertão: veredas, de Guimarães Rosa, diz, ao contar sua história de jagunço e ao lembrar de uma das mulheres que conheceu: “Saudade é velhice.”
Por João Chamadoira

Como tudo em Guimarães Rosa é ralativo,  relativemos também o conceito de Riobaldo. Portanto, não chega de saudade.Afinal, a velhice é boa, se bem vivida e a saudade…
Era na Rádio Difusora de São Paulo, dos Diários e Emissoras Associados,  às 5 horas da tarde. Voz macia, aveludada do Calil Filho, também apresentador do telejornal da PRF-3- TV TUPI DIFUSORA. 
O programa era a ESCALA MUSICAL COLÚMBIA. Uma espécie de jabaculê em que a Colúmbia Discos enfiava ali seus recentes lançamentos. Felizmente, o Calil Filho tinha o gosto que eu tinha. Eu chegava do colégio e queria ouvir as músicas dos 78 rotações que o programa mostrava.
Nunca me esqueço da bendita tarde em que, acho 1958. o Calil Filho anunciou mais ou menos assim:
– Ouçam esta novidade. Prestem atenção na voz e no acompanhamento do violão…
E lá vinha a novidade:
“Laaaá, lararararararararará, lararararararararará, lararara,lararará.
Vai, minha saudade, e diz a ela
Que sem ela não pode  ser.
Diz-lhe numa prece
Que ela regresse,
Porque não posso mais sofrer…
Chega de saudade…”
Realmente, diferente. Nascia uma nova música, dentro do momento de criatividade e novidades que o Brasil então vivia… Ainda não chegara o 1º de abril de 1964.
Não, não chega de saudade! Definitivamente!!
 


{moscomment}

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *