Nasa busca por homens e mulheres especiais que consigam passar por mais tempo no espaço

Publicado em: 21/11/2014

MILTON – Bom dia, Ethevaldo, como vai?

ETHEVALDO: Bom dia, Milton, bom dia, ouvintes. Tudo ótimo.

MILTON – Ethevaldo, hoje é sexta-feira, dia de falarmos sobre o futuro e você prometeu falar sobre os desafios futuros da sobrevivência do homem no espaço cósmico.

ETHEVALDO – Vamos lá, Milton. A NASA prepara um projeto ainda mais ambicioso do que o Projeto Apollo, que levou o homem à Lua, nas décadas de 1960 e 1970. Agora é a vez da conquista do planeta Marte por volta de 2030.

MILTON – E quais são os maiores desafios para que o homem possa ir ao planeta Marte e voltar de lá, com segurança?

ETHEVALDO: São muitos os desafios, Milton. O maior desafio é a sobrevivência do ser humano no espaço.

MILTON – Por quê?

ETHEVALDO – O homem não foi feito para viver em gravidade zero numa estação espacial ou numa nave interplanetária, Milton.

Segundo a NASA, permanecer no espaço cósmico por longos períodos traz consequências sérias ao corpo humano. Afeta os ossos, os músculos, as atividades senso-motoras, o sistema cardiovascular, submete o organismo a radiações muito mais intensas, exige muito mais exercícios físicos, muda nossos hábitos de dormir, traz novos desafios para a alimentação e a nutrição e impõe novos cuidados médicos.

MILTON – E como superar esses problemas?

ETHEVALDO – É preciso preparar homens e mulheres especiais, capazes de suportar e vencer todos esses desafios. É isso que a NASA está fazendo com seus astronautas na Estação Espacial.

Normalmente, os astronautas americanos e cosmonautas russos passam a média de 5 meses na Estação Espacial. Dois deles, no entanto, estão sendo treinado em Houston para passar um ano inteiro na Estação Espacial. São eles: o astronauta americano Scott Kelly e o cosmonauta russo Mikhail Kornienko, que vão ser lançados ao espaço em 2015.

E muitos outros farão o mesmo treinamento para fazer uma viagem de ida e volta a Marte a partir de 2030.

MILTON – Até segunda.

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *