O golpe da entrevista

Publicado em: 24/02/2008

Esse fato aconteceu numa cidade do interior de São Paulo. Um dia alguém marca uma entrevista com o Secretário de Obras da Prefeitura. Seria uma entrevista para televisão sobre investimentos nos bairros.
Por Ricardo Medeiros

Esse alguém se intitula jornalista. Na hora da entrevista não traz microfone, não traz câmera. Mas traz uma proposta financeira. O “jornalista” diz que Secretário tem portas abertas no programa dele. Mas que seria interessante que o Secretário contribuísse financeiramente para manutenção do programa.
– Que tal R$ 1.500,00?
– O Secretário não concorda.
– Que tal, então, R$ 600,00?
– Não, coloca o Secretário.
O “jornalista” insiste. Frisa, inclusive, que o Secretário terá direito a um espaço não só na TV, pois os microfones de uma emissora de rádio também estarão á disposição. O Secretário, sorridente, diz que não cobra para dar entrevistas e que igualmente não gostaria de pagar para tal fim.
Passam-se 20 minutos. A situação fica insuportável. O Assessor de Imprensa do Secretário, formado em Jornalismo, tenta argumentar que o seu assessorado não está interessado na proposta. Eis que o dito jornalista da TV, que propositadamente até então havia ignorado a presença do Assessor de Imprensa, dirige-se para este profissional. Olha rápido para ele e é curto e grosso:
– Não estou falando com você. Estou falando com meu amigo.
– Mas que amigo? Aquele feito na hora de fazer uma proposta indecorosa? Parabéns para o Secretário que não cede às investidas do dito jornalista. Nada de negociatas. O “jornalista”  bate a porta. Vai embora. Que em nome da ética não volte nunca mais.
 


{moscomment}

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *