Rádio Espírito Santo de Vitória e a radiodifusão no Brasil hoje – 3

Publicado em: 09/07/2010

Domingos Alfredo Loss

No levantamento que realizo encontro sinais evidentes de deterioração no sistema de rádio brasileiro, a começar pela falta de fiscalização pelo poder público, o despreparo de inúmeros radiodifusores – concessionários de canais de rádio e televisão – de profissionais despreparados e de um nível cada vez mais baixo do conteúdo transmitido (programação).

Causas da possível morte do Rádio, brevemente no Brasil:

Empresários de praticamente todos os estados da Federação, detentores de canais de rádio tanto AM como FM, estão alugando e transformando suas emissoras em simples repetidoras de redes ou emissoras de outros estados.
Sito este exemplo constatado por mim mesmo.

No último dia 11 de fevereiro, eu e minha família fomos de carro próprio para Maceió, capital do Estado de Alagoas, em visita aos nossos amigos e compadres que residem e são de lá.

Em todo o caminho, com um rádio portátil, fui acompanhando, sintonizando as emissoras de cada cidade em que passávamos. Pude constatar que a maioria das rádios são apenas repetidoras de emissoras de outros estados ou estão alugadas para Igrejas evangélicas e de outras denominações.

No dia 13 à noite, sexta feira, véspera do carnaval, passando pelos municípios alagoanos de Coruripe, Poxim, Jequiá, Barra de São Miguel e outros, já sintonizava emissoras de Maceió, como por exemplo, as AMs Rádio Imperial de Marechal Deodoro em 610 kHz e a Rádio Maceió em 1020 kHz (ex-Clube de Rio Largo – ambas na Grande Maceió). Conhecedor de todas as frequências de AM da capital de Alagoas, no caminho fiquei alternando as frequências das duas emissoras em questão, as quais retransmitem toda programação da Jovem Pan de São Paulo.

Nos quarenta ou cinqüenta minutos em que fiquei sintonizado nessas duas emissoras pude observar que o locutor, lá nos estúdios da Jovem Pan, em São Paulo, comentava sobre o trânsito congestionado entre São Paulo e Santos!
Agora pergunto: o que tem a ver o trânsito da cidade de São Paulo com a população de Maceió? Qual a importância para os alagoanos de Maceió saber informações do trânsito entre São Paulo e Santos? No mínimo isso é falta de respeito dos responsáveis pelas emissoras para com o público ouvinte de Maceió!

Ora, se as concessões dos canais das rádios são de Maceió ou grande Maceió, obrigatòriamente, as programações deveriam ser geradas localmente, dando oportunidade de trabalho para radialistas, músicos, técnicos e outros profissionais da área divulgando a cultura, as artes, a música e os costumes da região. Cadê a divulgação da cultura alagoana para os alagoanos? Esse comportamento só beneficia os concessionárias (empresários de comunicação) que desempregando seus funcionários, passam a ganhar dinheiro com o aluguel, transformando suas rádios em meras repetidoras. Isso, senhores, precisa acabar!

Técnico de Comunicações e Radialista aposentado

2 respostas
  1. valdir basso says:

    voce tem toda razao,os programas de radio deveria ser todos apresentados por locutores da propria radio e de sua cidade,para melhor se identificar com seu publico seus costumes etc. A nossa emisora os locutores todos sao da cidade ou aredores, e dificil prepaar mas vale apena.

  2. Wanderlei Schulz says:

    Amigo Loss,
    É a pura verdade, as rádios se transformaram em rede. Não s e ouve mais uma notícia local, as músicas são escolhidas no eixo Rio/SP. Veja no aspecto emprego: Até na década de 90, o rádio tinha além do apresentador, a figura do operador d e som, discotecário, noticiarista d e hora/hora e muitas das vezes o produtor.
    Hoje o apresentador é noticiarista, discotecário, operador de som e agente publicitário.
    As transmissões do futebol no domingo a tarde, com times da cidade é uma raridade. Tudo fica focado no Rio/SP.
    Até as vinhetas são tiradas da internet.
    Loss, bons tempos do Loteria Esportiva Musical, na 810, rádio Aimorés Am.
    Um abraço e fique com DEUS.
    Wanderlei Schulz

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *