O rádio está vivo, bem vivo

Publicado em: 16/02/2009

A título de colaboração gostaria de sugerir pauta também sobre o rádio de hoje, para não ficar a impressão que o rádio é apenas passado. Por Nelson Paulo dos Santos*

Ao agradecer o recebimento de mais um boletim gostaria de cumprimentá-los pelo magnífico trabalho que os senhores estão desenvolvendo resgatando e mantendo viva a memória da radiodifusão de Santa Catarina. Somente com muita dedicação e amor ao veículo este trabalho seria e está sendo possível.
 
A título de colaboração gostaria de sugerir pauta também sobre o rádio de hoje, para não ficar a impressão que o rádio é apenas passado. O que está se fazendo hoje em cada região de Santa Catarina, como o rádio está trabalhando, formatos de programação, o peso do veículo na comunidade, enfim, dados que vão mostrar com certeza que o rádio está vivo, bem vivo.

Conheço municípios aqui no Vale do Rio do Peixe, Meio Oeste e Oeste de Santa Catarina onde os investimentos são permanentes, o que mantém o rádio como o principal veículo de comunicação, inclusive em cidades onde há geradora de televisão.

Posso citar a nossa Rádio Catarinense AM (que integra a Rede Catarinense de Rádios formada também pelas rádios Band FM, Jovem Pan FM e Líder AM – Joaçaba/Herval d’Oeste) que permanentemente recebe investimentos nas áreas técnica e profissional,     tendo na ultima década aumentado de potência duas vezes, passando de 05 kW para 10 kW e hoje com 12 kW, operando com uma torre nova de 118 metros.

A equipe de profissionais, talvez a de menor rotatividade no país, tem sido premiada em vários eventos no estado e também nacionalmente, em concursos como: Premio Acaert de Rádio, Prêmio Unimed de Jornalismo, Prêmio Fiesc de Jornalismo, Prêmio Airton Sena de Jornalismo, Prêmio IBCC de Jornalismo (estes últimos dois como finalistas a nível nacional) o que nos permite usar, com bastante orgulho dos nossos profissionais, o título de A RÁDIO MAIS PREMIADA DE SANTA CATARINA. A relação dos premiados está no site da emissora: www.radiocatarinense.com.br

Além de Joaçaba/Herval d’Oeste também gostaria de citar praças desta região onde o rádio continua muito valorizado, como: Concórdia, Capinzal, Videira, Chapecó, São Miguel do Oeste, Curitibanos, Campos Novos, Treze Tílias, Fraiburgo e Rio do Sul.

Por favor, não entendam como uma critica, mas sim uma sugestão para que se valorize o trabalho também de hoje deste meio de comunicação que tem enfrentado cada vez mais concorrências e continua tendo, nas regiões onde ele é tratado pelos proprietários e direção, com respeito e profissionalismo, uma importância muito grande para a comunidade.

*Radialista e Jornalista, diretor das Rádios Catarinense AM/Band FM e Jovem Pan FM – Joaçaba.

1 responder
  1. Daniela says:

    As emissoras do meio oeste catarinense realmente estão bem estruturadas, só pecam na programação: precisam abrir mais espaço para jornalismo. As grandes rádios dedicam a maior parte de sua grade de programação, ao jornalismo. Disso estamos carentes em nossa região, que anda meio abandonada pelos governos e precisa que o quarto poder tome partido em defesa do povo.

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *