O reverso da fome

Publicado em: 28/11/2011

Amélia passava fome ao meu lado e achava bonito não ter o que comer. Mário Lago, em Amélia

Alceu Sebastião Costa

Fora do papel, qual mulher assumiria tal postura? / Por acaso, pode o amor sadio aferir tal desventura? / Estas perguntas e muitas mais são deveras naturais, / Posto que formuladas pelas patrulhas dos radicais, / Que, postulando mandato de guardiões da Sociedade, / Fazem de um copo d’água cenário da cruel tempestade, / Ignoram a sensibilidade do poeta e seu potencial sagrado, / Enxergam a superfície de Mário, não a profundidade do Lago, / Admitem o definhamento, e até a morte, por fome de amor, / Mas, abominam a simbologia retórica da beleza da fome – sacrílego ato de terror – / Fincada na canção como apologia da paixão e lenitivo dessa dor.

O poeta Alceu Sebastião Costa, que reside no Bairro do Cambuci – Capital-SP, escreveu esses versos em Serra Negra – SP em 07 de janeiro de 2003.

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *