O valor da informação (Parte I: Princípios básicos da comunicação)

Publicado em: 12/10/2008

Em uma caverna, há muito tempo atrás (muito mesmo), dois homens se olham, gesticulam, emitem sons e até documentam suas atividades com rabiscos e desenhos na parede. Por Rodrigo Seco*Com o tempo, esses sons e rabiscos foram ganhando adeptos, aprimorados originando o que hoje chamamos de comunicação. Infelizmente, não é possível ter certeza como seriam esses sons, mas são através dos desenhos em cavernas que confabulamos teorias sobre nossa origem no planeta e as formas de vida de uma época distante.

De lá para cá, certamente, houve uma profunda evolução objetivando a transmissão e documentação de nossas informações. É bastante intuitivo que uma comunicação deva se basear entre dois pontos principais: por um transmissor até um receptor. Através de mensagens transmitidas por um meio que garanta sua integridade de seu conteúdo durante a transmissão.

Quando criança, certamente, você já deve ter brincado (ou ouvido falar) de “telefone sem fio” com seus amigos. Uma brincadeira simples que consiste em formar uma fila de amigos, sentados lado a lado. O primeiro diz uma frase ao segundo sem que os demais escutem. Esse retransmite ao terceiro, assim por diante. Até que chegue ao último e esse precisa acertar (em casos, adivinhar) a mensagem secreta dita pelo primeiro. Mesmo sem haver pontuação ou um vencedor, é uma brincadeira bastante divertida, que me permite fazer algumas observações curiosas:

1 – Quanto mais complexa a mensagem, maior será a dificuldade de manter a sua integridade.
2 – Quanto mais amigos (retransmissões), mais a mensagem sofrerá desgastes.
3 – O transmissor precisa ser claro e o receptor com boa capacidade.
4 – Se a transmissão da mensagem for feita em voz alta, pode haver quebra do sigilo.
5 – Criança se diverte com uma facilidade impressionante.

Segundo nosso professor do primário, possuímos cinco sentidos: audição, olfato, paladar, tato e visão. Observe que, segundo os sentidos, as mensagens podem se comportar nos formatos de som, odor, sabor, toque ou imagem respectivamente. Logo, os transmissores para uma comunicação entre seres humanos precisam emitir mensagens, ao menos, em um desses. Infelizmente, diferente de alguns “mutantes”, ainda somos limitados a essa realidade. Para piorar, algumas pessoas possuem deficiência em algum desses sentidos, refletindo diretamente na sua comunicação com a sociedade. O desafio é oferecer o máximo de recursos a fim de permitir a comunicação efetiva a um número cada vez maior de pessoas.

Quem sabe, no futuro, possamos ir além dos receptores sensoriais naturais e estimular diretamente suas regiões cerebrais correspondentes? (Já existem vários estudos de transmissores e receptores ativados diretamente pelo cérebro). Mesmo assim, não deixaremos de receber e enviar mensagem. Nesse caso, estaremos apenas definindo um meio de transmissão. O meio é a forma e o caminho pelo qual a mensagem faz do transmissor até o receptor.

Para finalizar, o princípio básico da comunicação consiste na transmissão de uma informação de forma rápida, confiável e íntegra. O transmissor capta a informação e envia em forma de mensagem ao meio. Esse, por usa vez, envia ao receptor que traduz a mensagem em informação.

Esse é o procedimento de uma ligação telefônica, por exemplo. O aparelho é o transmissor e/ou receptor. O meio são as linhas de transmissão. No caso, a nossa fala é a informação que será transformada em mensagem (pulsos elétricos, luz, ondas) transmitida ao meio.

Outro exemplo pode ser uma simples conversa. Nossa “boca” emite um som que será propagado pelo ar (meio) e captado pelos “ouvidos” que, na maioria das vezes, as entende. No caso da escrita, os símbolos são captados pelos “olhos” através da luz. Assim por diante.

Bem simples, não acha? Todos os meios de comunicação seguem a mesma lógica. É claro que cada um possui sua complexidade e particularidade quanto a forma e meio de transmissão.

Nas próximas partes, veremos o papel da tecnologia no avanço da comunicação, cuidados que devemos tomar, o valor da informação nos dias de hoje e o que podemos esperar para o futuro.

Agora, eu não sei o que faziam os dois homens a sós na caverna escura. Talvez a origem da comunicação não foi a única descoberta naquela noite.

Eu ainda acho que um olhar vale mais do que mil palavras.

*Rodrigo Seco – Blog Quintal Virtual

3 respostas
  1. Rodrigo Seco says:

    Eu não entendi o que o Sr. Mário quis dizer com “tenha um bom conhecimento da matéria”…

    Mas… darei meu comentário a respeito do texto:
    Talvez estejamos muito presos a conceitos, a informações “inúteis” sobre a evolução tecnológica… quando escrevi esses princípios, não pensei nos conceitos acadêmicos, mas em um maneira sutil e até infantil de ver o princípio de uma comunicação seja ela como for corporal, oral, sentimental… usando, inclusive, elementos vazios e sem muito sentido… mas focando na idéia do fundamental… e do ser humano em si.

    É claro que a medida que as demais partes do artigo, já rascunhadas, sejam escritas, todas as motivações do que estão escritos aqui irão tomando forma…

    Mas, para deixar um gostinho do valor da informação… lembro de uma experiência acadêmica onde foi determinado a um pombo correio a tarefa de levar um HD de um ponto de uma cidade da europa a outro… e ao mesmo tempo, se iniciava a transferência via internet do mesmo conteúdo… Esse estudo ganhou prêmios, pq eles conseguiram comprovar que o pombo era capaz de transmitir informação com mais segurança e agilidade do que a internet perante determinadas situações…

    Tal como um celular via satélite acessível de qualquer lugar do planeta e que se usado por todos seria bem mais barato e acessível de usar que o convencional não ter vingado… conhcer a essência da nossa própria natureza se faz necessário quando estivermos avaliando o uso de qualquer tecnologia… e isso vale para os meios de comunicação e ao rádio.

    As vezes penso que mandamos e-mails demais… e a tecnologia está nos isolando de expressões tão fundamentais ao homem como as corporais que fazem o coração palpitar ao olhar e se emocionar ao sentir na própria pele…

    Costumo dizer que um profissional completo, de comunicação, por exemplo… não é aquele que é ligado apenas na tecnologia, fatos e importâncias de cada uma… mas que consegue enxergar a sociedade, a psicologia… também a seus estudos. Até pq a única motivação de sermos o que somos é servir a humanidade… como diz o nosso juramento.

    Nossa… o comentário virou um post.
    E achei muito legal a publicação… adorei o blog e já está como referência no meu.
    Abraço a todos.

Trackbacks & Pingbacks

  1. […] artigos receberam inúmeros elogios, algumas críticas e até ganhou repercussão em outros blogs. Mesmo assim, alguns profissionais deixaram a reflexão de lado e se sentiram um pouco incomodados […]

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *