Os escoteiros que eu pretendia incluir

Publicado em: 12/05/2012

Tributo ao chefe escoteiro Paulo Roberto Guimarães

Decidido a entregar a Chefia do Grupo Escoteiros do Mar Mariz e Barros, abandonei dois programas de inclusão: escoteiros portadores da Síndrome de Down e escoteiros com Dificuldades Físicas. Eu não conseguia pensar que uma filosofia e uma fraternidade com a magnitude do Movimento Escoteiros do Mar pudesse deixar ausentes de nossas atividades jovens como os atuais clientes da Apae e a clientela do Centro de Reabilitação. Mas,  justificativas, se é que elas pudessem existir, estavam ligadas ao governo de exceção implantado em 1964.

Havia, porém, nesse momento o sonho de minha equipe de chefia e seus assistentes de assumirem o que eles acreditavam ser a realização de suas vidas: a chefia do Grupo de Escoteiros do Mar Mariz e Barros.

Infelizmente esse sonho não pode ser concretizado naquele momento, até porque, naquela época tanto a Apae como o Centro de Reabilitação não eram compreendidos e como agora que existe até um mercado de trabalho para pessoas com necessidades especiais.

Por certo, o valor humano do empreendimento não poderia ser um jogo ou uma aventura e cobraria muita responsabilidade e dependeria do empenho incondicional e intenso de pais, mães e responsáveis. E, naturalmente a adesão material e financeira de órgãos públicos ou empresas socialmente responsáveis.

Foi portanto, algo que não tive a felicidade de realizar e não sei se algum grupo escoteiro o fez mais tarde.

Seria algo maravilhoso e de elevado sentido humano em uma nova fase no Movimento Escoteiro Mundial.

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *