Perdendo a credibilidade

Publicado em: 22/09/2012

Nas décadas de 1950 e 1960 se dizia que radialistas e jogadores eram profissões sem credibilidade junto à sociedade. Com o passar dos anos as duas profissões foram ganhando projeção e o que se falava antes caiu no esquecimento. Hoje radialistas e os jornalistas que trabalham como locutores, comentaristas e repórteres esportivos estão perdendo a credibilidade conquistada a partir do surgimento de grandes empresas e grandes profissionais. Por que estão perdendo a credibilidade esses profissionais? Porque se sujeitam a salários que não permitem um só emprego (com exceções) para sobreviver condignamente.

Li uma matéria do colega Anderson Cheni que me levou a esse comentário. Atualmente grandes profissionais da latinha trabalham em duas, três e por vezes quatro empresas diferentes para ganhar o suficiente para sobreviver. Isso está gerando não só a perda da credibilidade do meio como e acima de tudo o respeito ao profissional. Isso precisa ser corrigido. Os salários pagos hoje colocam em cheque a profissão e obriga os profissionais a se “virar mais que charuto em boca de bêbado”. Ter que trabalhar em mais de duas, três ou quatro empresas torna o profissional da “latinha” em joguete nas mãos das empresas. Hoje se ouve um mesmo profissional no ar na WEB pela manhã, na rádio à tarde e na televisão fechada à noite. Muitos transmitem dois jogos seguidos no mesmo prefixo, um seguido do outro. Outro dia vi um locutor transmitir um jogo na televisão às 16 horas e às 18h30 sempre em off-tube lá estava ele narrando um jogo pela rádio. Outros transmitem numa rádio pela manhã e logo a seguir estão em outro evento num canal de televisão ou até em outra rádio. De manhã estão na Itália e uma hora após já transmitem diretamente do Pacaembu ou do Engenhão. A culpa não é específica dos proprietários das emissoras ou seus diretores; é também de quem se sujeita a tal situação. Com isso a “credibilidade” está indo para o espaço ou será que isso não importa mais, não tem mais valor? É isso ai.

edemarannuseck.blogspot.com

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *