Por que chorar os anos que não voltam mais?

Publicado em: 01/01/2009

Alô, bom dia! Acorde porque a inana já começou. Águas passadas não movem moinhos e faltam apenas 364 dias, doze horas e 25 minutos pro o novo ano acabar.

Para nós Caros Ouvintes, este ano de 2009 está cheio de desafios que desejamos partilhar com você, para que juntos possamos transformá-los em oportunidades ricas de energia realizadora. Se para os que estão começando é tempo de semear, para quem tem frutos maduros está na hora de colher e nós, modéstia às favas, estamos com o pão, a faca e o queijo na mão.

Afinal, é bom lembrar pra quem ainda não tenha se aprecatado: neste 2009 estamos emplacando os primeiros 80 anos da história da radiodifusão em Santa Catarina, pois como lembram Ricardo Medeiros e Lúcia Helena Vieira no livro História do Rádio em Santa Catarina, “O rádio começara a engatinhar no Brasil (…) quando em setembro de 1929 o radioamador João Medeiros Júnior instalou (…) um alto-falante, que em determinadas horas irradiava trechos musicais”.

Caro leitor-ouvinte, este é apenas um dos registros, por certo outros existem e nós temos que ir atrás deles e, para isso, precisamos contar com o apoio de todos os que tenham uma lembrança, uma referência, uma contribuição a dar. E para ajudar, você não precisa ser um especialista, basta que se disponha a contar suas memórias, por insignificantes que lhe pareçam, saiba que as grandes histórias são feitas de pequenos detalhes.

Conte-nos o que você sabe; conte-nos o que você viveu ou o que lhe contaram. Indique, informe, divulgue que estamos batalhando para contar “As muitas memórias dos 80 anos do Rádio em Santa Catarina”. Além da divulgação que continuará sendo feita pelo site Caros Ouvintes, vamos editar um livro que será lançado como parte da campanha pela criação da Casa do Radialista de Santa Catarina. Todas as contribuições que forem aproveitadas no site e no livro levarão o nome do colaborador.

Uma coisa importante: quando se tratar de documentos públicos ou pertencentes à família, basta que nos envie fotos com as informações de identificação. Mesmo quando se tratar de objetos ou instrumentos mande somente fotos. Quando se tratar de registros em áudio – seja em fita, vinil, CD etc. – mande por e-mail ou nos contate para orientarmos o encaminhamento.

Se você conhece alguém que tenha um acervo e não tem como expor à visitação pública incentive os seus amigos a criar um pequeno museu na sua própria cidade. Não importa que o lugar seja pequeno e distante, importa que você nos comunique para divulgar ou sugerir um plano de comunicação simples e objetivo.

Queremos receber seu contato hoje mesmo. Escreva para [email protected] porque daqui a pouco este ano também estará acabando.

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *