Predestinado 2

Publicado em: 19/04/2008

O correio eletrônico é algo fantástico, mas também tem as suas falhas. Mandei material com texto compactado e a frase final ficou perdida na caixa de correspondência do Antunes Severo. Ou seria uma falha do professor emérito em máquinas de escrever Remington e garoto principiante de internet? Seja lá o que for, para concluir a primeira parte aí vai o encerramento. Estou falando de Nicolau Nader que depois foi para a política e eleito, tal qual o Maurício Fruet. Aprendi a fazer rádio na ZYH-8 que no nome tinha ípsilon, Rádio Marumby, talvez por causa da ortografia antiga ou para ficar com cara de coisa de americano. A EMISSORA DAS INICIATIVAS, como era o seu slogan, ficou no meu coração e a ela agradeço ter chegado à Deutsche Welle.

Esta frase solta me fez lembrar o que aconteceu na Alemanha. Durante a guerra dos 30 anos um jornal teve suspensas as suas edições. Quando terminou a guerra o jornal voltou a circular e o redator iniciou seu artigo de fundo dizendo: Conforme comentamos em nosso último número…

Bem, mas como falei em predestinação, quando menino eu era muito tagarela e minha avó vivia dizendo: Este menino tem que ser speaker da PRB-2. Nunca trabalhei na B-2, mas que fui speaker não foi afirmação errônea. Comecei na Radio Marumby ganhando R$ 2.700,00.

Os horários dos locutores de estúdio variavam. Dois dias por semana eu tinha de abrir a rádio, às seis horas da manhã. No inverno curitibano era duro. Eu morava no Jardim das Américas e o meu meio de transporte era uma bicicleta motorizada. Saía de casa parecendo uma múmia, com manta enrolada na cabeça e só deixando os olhos de fora. Mesmo assim peguei uma sinusite que me deu muita dor de cabeça.

 Muitas vezes ia abrir a rádio para o Hélcio José, que inventava de ir transmitir bailes no norte do estado. Hélcio José se notabilizou quando os Zugspitzen Artisten foram se apresentar em Curitiba e ele subiu no bagageiro da moto dos malabaristas e transmitiu sua reportagem lá de cima, do cabo de aço.

Quando decidi que ia para a Aeronáutica e ser piloto, precisava estar no Bacacheri, na Base Aérea, exatamente às oito horas, para o último dia das provas e as mais fáceis, eu tinha estúdio das seis às oito da manhã. Pedi-lhe que fizesse a locução para mim. Disse que não poderia, já que ia dormir muito tarde. O horário dele começava às oito. Roguei-lhe então que chegasse uma hora antes.

Se eu saísse às sete pegaria um táxi e chegaria em tempo de realizar o exame admissional na Escola Preparatória de Cadetes do Ar. Hélcio José não chegou às sete e nem às oito. Apareceu apenas às oito e vinte e eu não podia abandonar o microfone.

Fui até a Base Aérea de Curitiba, ainda falei com o Comandante, mas infrutiferamente. Na hora que começava a prova era no Brasil inteiro. Aberto o envelope das questões ninguém mais podia entrar na sala onde se realizava a prova de história e geografia. Assim a aviação perdeu um piloto e eu continuei locutor para o resto da vida.

Hélcio José mais tarde voltou para o Rio de Janeiro, de onde viera, e foi repórter fotográfico da Manchete. Voltei a encontrá-lo na Alemanha. O trabalho na Marumby era legal, mas surgiu um convite para a Rádio Tingüi. O diretor era também concessionário da PRB- 2. A emissora ficava numa casa antiga, na Rua Barão do Rio Branco. E no espaço de apenas uma quadra eram quatro emissoras de rádio: Clube Paranaense, Tingüi, Cultura e Guairacá.

 Pouco antes da Clube havia um bar de um árabe (seu Abdo) que teve uma idéia brilhante. Deu ao seu bar o nome de Bar do Radialista. Todo mundo que trabalhava em rádio freqüentava o bar. Mas aí ele resolveu dar crédito à turma e o resultado foi desastroso. Pobre sírio! Quebrou, pois não conseguiu cobrar dos devedores.

Na Rádio Tingüi tive a oportunidade de trabalhar com Jorge Nassar e Getúlio Cury, com Ernesto Oliveira e a Rosinha, com Leo el Morocho e Getúlio Sadamu Koga e também com Osvaldinho e Vieirinha.

Jorge Nassar e sua Voz do Povo tinha enorme audiência. Ele descobriu uma velhinha que fizera a promessa de construir uma igreja para Nossa Senhora Aparecida e não conseguira. Ele assumiu a tarefa, a população contribuiu e no dia da inauguração lá estava ele e a velhinha felizes com o resultado da campanha. Sua eleição foi barbada.

Depois se envolveu no escândalo do grupo que andava fazendo festas com normalistas em São José dos Pinhais e não sei mais o que aconteceu. Getúlio Cury tinha O Tango abraço o Samba, que era feito diretamente da Boite Cadiz, onde Leo el Morocho tocava com seu grupo musical, ele que era o nosso discotecário. Uma noite fui lá com o Getúlio e ele me botou no fogo. Anunciou-me como apresentador do programa naquela noite. Eu que era locutor de cabine tive que vencer o medo e fazer o programa.

 Ernesto Oliveira era apelidado de Martelinho, pois muito míope usava um óculo fundo de garrafa e lia os textos comerciais de soquinho. A Rosinha era locutora e operadora de som. Getúlio Sadamu Koga trabalhava na parte burocrática. Osvaldinho e Vieirinha fizeram sucesso, ganharam um bom dinheiro, compraram uma motocicleta e mataram-se com ela. Em alta velocidade bateram contra o reboque de um caminhão.

Estou fazendo injustiça em não mencionar o nosso chefe de locutores, cujo nome fugiu da minha memória. Era bom locutor e boa praça, mas, numa noitada de truco, tomou o meu salário. Ele e o Sadamu contra eu e Antoninho, um amigo meu. Diretor da rádio era o Homero Camargo de Oliveira. Na próxima matéria contarei a história dele.

{moscomment}

14 respostas
  1. daniel miranda says:

    oi meu pai e e irmao do osvaldinho. talvez vcs teriam mais infornacoes.
    para nos pasar. ou mais fotos, talvez musicas. por favor nos enforme. obrigado

  2. claudio says:

    Sou neto do Vieirinha……alguem tem mais informacoes sobre meu avo da dupla Osvaldinho e Vieirinha?????

  3. Kelly says:

    Por gentileza, gostaria de saber o nome das músicas cantadas por Osvaldinho e Vieirinha. Pois procuro por uma em especial e não acho. Minha mãe os conheceu em Curitiba e hj, com 74 anos relembra com saudades. Já procurei por tudo e não encontro… a música q ela canta é mais ou menos assim: “…moça bonita que está na janela…vim aqui p te pedir perdão…só te peço que não me abandone…”
    Agradeço por qualquer ajuda! Ela ficará mto feliz!

  4. Roberval Vieira says:

    Fábio sou filho do Vieirinha, quais as músicas que você tem, gostaria de ser informado para ver se tem alguma que eu não tenho.
    Grato

    Roberval Vieira

  5. Elso Dutra de Lima says:

    Roberval moro em Treviso SC a terra em que seu pai nasceu, ouço mto falar da dupla Osvaldinho e Vieirinha, gostaria de haver algun trabalho deles como consigo ??? se puder dar retorno fico mto agradecido.
    Grande abraço

  6. Marcelo says:

    Também busco para um amigo as músicas da dupla Osvaldinho e Vierinha. Abraços

  7. Leonardo Martins says:

    Ola!sou amigo do irmao do Osvaldinho,o sr. Antonio José Lino,ele me pediu pra conseguir musicas do irmao,se alguem puder me ajudar com material como fotos ,vinis,cds,mp3,tudo é valido!!!meu e-mail [email protected] ou [email protected] valeu!!!

  8. emanuel says:

    Boa tarde, se alguém precisar falar com o roberval o E-mail dele é [email protected] ele é meu pai e tem as músicas da dupla e também tem o programa todos os domingos na AM 630 radio educativa todos os domingos das 7:00 horas as 9:00 horas da manhã o programa Brasil Caboclo com Maikel monteiro e José Francisco todo domingo eles tocam a música do oswaldinho e vieirinha

Deixe uma resposta

Gostaria de deixar um comentário?
Contribua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *